A história da morte a partir da análise do vestuário

Vestidos de baile verde matizados com arsênico. Cartolas tingidas com mercúrio. Crinolinas feitas com materiais inflamáveis – crinolinas eram as armações usadas sob as saias para lhes conferir volume.  Estas são apenas algumas das modas letais analisadas na obra “Vítimas Fashions: os perigos das vestimentas do passado e do presente”,  que detalha a história da morte a partir da análise das roupas utilizadas pelas vítimas.

A pesquisadora Alison Matthews David concentrou seu estudo nas vestimentas utilizadas pelos habitantes da cidade de Londres, Inglaterra, no período compreendido entre meados da década de 1700 à década de 1930. O livro apresenta um relato surpreendente e, às vezes sangrento, sobre as maneiras pelas quais o uso de determinadas vestimentas causava mortes, seja por acidentes, seja pela própria condição em que era fabricada. Esta análise impressionante é apresentada por meio de análises e ilustrações, que retratam o estilo das roupas do contexto histórico analisado. Dessa forma, a pesquisa identifica o quão perigoso poderia ser o uso de determinadas vestimentas. Neste artigo, selecionamos algumas das imagens presentes neste livro, que foram fontes importantes para a pesquisa de David.

arsenico.jpg

As ilustrações animadas, tinham como objetivo alertar para as doenças que poderiam ser adquiridas por meio do uso de longas saias e vestidos. Dentre elas, podemos fazer menção à febre tifóide. Ao serem arrastadas no chão pelas ruas, as saias carregavam doenças, micróbios, germes e bactérias para o interior da casa.  Estas doenças poderiam, por ventura contaminar a família. (Fonte The Archive Arte na Art Resource, NY)

arsenico2
Imagem divulgada em Londres no ano de 1805, intitulada “Metade do esqueleto”. Ela faz uma crítica ao apego pela moda e as consequências para a saúde. (Foto: Wellcome Images, London / Cortesia Bloomsbury)

arsenico3
Esta imagem intitulada “A senhora assombrada”, ou ‘The Ghost in the Looking-Glass”, traduzindo “O Fantasma no espelho” foi divulgada a partir de 1863. Na imagem temos uma mulher elegante que está ao lado de sua costureira, que, ao se olhar no espelho, vê a figura da costureira exausta, pois morreu para fazer sua roupa. (Foto: Toronto Public Library / Cortesia Bloomsbury)

arsenico4
O título da imagem destaca: ‘Fire’, traduzindo “Fogo”. Esta imagem, difundida a partir de 1860, tinha por finalidade alertar para os horrores causados pelo uso de materiais inflamáveis na fabricação da crinolina. Saias rodadas de crinolina feitas com materiais inadequados, frequentemente causavam mortes e relatos de graves acidentes, sobretudo, incêndios.  (Foto: Wellcome Library, London / Cortesia Bloomsbury)

arsenico5
Apesar da bela imagem de cisne que decora a embalagem de pó para maquiagem, nela, escondia-se o perigo de doenças causadas pelo chumbo. O chumbo, era o elemento comumente presente na confecção de produtos de maquiagem (1875-1880)  (Foto: Emilia Dallman Howley / Cortesia Bloomsbury)

arsenico6
Este é um cartão postal de publicidade de um produto recomendado por médicos legistas em 1910. (Foto: Cortesia Bloomsbury). Nos dizeres do cartão temos a seguinte mensagem:

“Por que ela não tem medo de ser queimada?

Porque ela usa NOFLAM, resistente ao fogo, material asséptico, e fortemente recomendado por legistas”.

arsenico7
Imagem difundida em 1840. Os vestidos e acessórios de coloração verde provavelmente eram coloridos utilizando um pigmento derivado do arsênico. A imagem retrata a preocupação com as doenças resultantes do contato com tal elemento. (Foto: Cortesia Bloomsbury).

arsenico8

A gravura apresenta os efeitos do arsênio para as mãos dos trabalhadores que lidavam diretamente com o produto na fabricação de roupas e acessórios. Feridas, machucados e manchas eram alguns dos sintomas presentes. Esta imagem foi difundida em 1859. (Foto: Wellcome Library, London / Cortesia Bloomsbury)

arsenico9

Chapéu giratório, 1830. A utilização de mercúrio no processo de fabricação de chapéus persistiu por mais de 200 anos, uma vez que ele não era visto como uma ameaça para a saúde, apesar do dano que causou aos trabalhadores que produziram os chapéus. (Foto: Wellcome Images, London / Cortesia Bloomsbury)

arsenico10

E esta é a capa da obra do qual apresentamos algumas imagens. Título da obra: “Fashion Victims: The Dangers of Dress Past and Present” (Vítimas Fashions: Os perigos do vestuário no passado e Presente).


FONTES:

A história sobre o perigo do vestuário através de imagens. Adaptado de: Disponível em: < http://www.atlasobscura.com/articles/the-history-of-hazardous-clothing-in-pictures >

Imagem de capa (em destaque à esquerda): Imagem que retrata as doenças adquiridas através do uso do arsênio. O arsênio era um elemento utilizado para pigmentação de roupas, e possibilitava a produção da coloração verde. A imagem tem como título “A dança com a morte”, em menção ao movimento dos longos vestidos. (Fonte:Library, London / Cortesia Bloomsbury, 1862)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s