Os Julgamentos das ”Bruxas” de Salem

22 de setembro de 1692.
O ar estalava com a tensão enquanto o povo de Salem, Massachusetts, se reunira na Gallows Hill para testemunhar a última rodada de ‘justiça’. Os oito homens e mulheres que tinham sido trazidos pela carroça eram vizinhos, amigos e familiares – mas isso só fazia sua traição mais flagrante, pois aqueles oito – Martha Corey, Alice Parker, Mary Parker, Margaret Scott, Mary Eastey, Ann Pudeator, Wilmot Redd e Samuel Wardwell – eram todos culpados do mais hediondo e imperdoável dos pecados aos olhos de Deus: bruxaria.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.46.23.pngNão havia dúvidas de sua culpa. A carroça que tinha levado os condenados em sua jornada final tinha sido sujeitada a dificuldades – obras do diabo -, as pessoas tinham murmurado, mas nem mesmo o diabo não poderia salvar os “seus” agora. Martha Corey orou fervorosamente antes de ser relegada ao esquecimento, e a despedida de Mary Eastey daqueles a quem que ela deixaria para trás, causou muitas lágrimas de quem ouviu, antes de a corda ser posta em torno do pescoço. Mas muitos outros permaneceram impassíveis – pois esses “tições do Inferno”, como um observador os chamou, não estavam recebendo nada menos do que mereciam.

Felizmente, embora o grupo reunido ali ainda não soubesse disso, esta seria a última vez que sua comunidade sitiada testemunharia a morte de uma “bruxa” na forca. Deve ter havido muitos lá naquele dia, tanto acusadores e acusados, que se perguntaram como eles tinham chegado a isso.

Os julgamentos das “bruxas” de Salem em 1692 ficaram marcados como um dos períodos mais obscuros da História Americana. Mais de 200 pessoas foram acusadas de praticar bruxaria e 20 foram mortas durante a histeria, mas o que levou a isso?

Bem, a caça às bruxas de Salem foi um exemplo clássico de uma crise onde buscaram um bode expiatório para exorcizar as tensões. O medo combinado com um “gatilho”, ou seja, um evento traumático ou estressante, muitas vezes leva ao bode expiatório. O medo do diabo e do que as bruxas que faziam em seu nome era muito real em Salem naquele momento.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.46.15.png
Charles II da Inglaterra.

Para entender isso, precisamos voltar a Massachusetts do século XVII, onde as pessoas muitas vezes temiam que o diabo estivesse constantemente tentando encontrar maneiras de se infiltrar e destruir os cristãos e suas comunidades, especialmente para uma comunidade devota e fortemente religiosa vivendo quase em total isolamento no misterioso ‘Novo Mundo’.

Além dessa sensação constante de medo, moradores Salem também estavam sob uma grande dose de estresse durante este período, devido a uma série de fatores políticos e econômicos.

Um desses fatores importantes foi que em 1684, o rei Charles II revogou a Carta Régia da Baía da Colônia Massachusetts, um documento legal que concedia permissão aos colonos para colonizar a área.
A carta foi revogada porque os colonos tinham violado várias regras do documento, incluindo as leis sobre crenças religiosas e discriminação contra os Anglicanos.

Charles II morreu pouco depois e James II substituiu-o e fundiu a Baía da Colônia Massachusetts ao Domínio da Nova Inglaterra, que instituiu um governo regiamente decorado com muitas novas e rigorosas leis. Em 1689, após a Revolução Gloriosa na Inglaterra, os colonos de Massachusetts derrubaram o domínio impopular da Nova Inglaterra, porém em 1691, os novos Rei e Rainha da Inglaterra, Mary e William de Orange, emitiram uma nova Carta, ainda mais anti-religiosa, em vez de reeditar a antiga e também anexaram a Baía da Colônia Massachusetts, a Baía de Plymouth e várias outras colônias em um único domínio.

Os puritanos, que haviam deixado a Inglaterra devido à perseguição religiosa, temiam que sua religião estivesse sob ataque novamente e estavam preocupados e com medo de perder o controle de sua colônia. A instabilidade política e ameaça à sua religião criou um sentimento de mal-estar e descontentamento na região.

Outros fatores incluíram uma epidemia de varíola, a crescente rivalidade entre famílias dentro da Colônia, a ameaça constante de ataques de tribos nativas vizinhas e um recente influxo de refugiados que tentavam escapar da guerra do rei William com a França no Canadá e norte do estado Nova York.

Todos estes fatores criaram um ambiente tenso em Salem e aumentaram o medo e a ansiedade dos colonos. De acordo com o livro Um relato da vida do Reverendo Samuel Parris na Vila de Salem’, os colonos começaram a suspeitar que o Diabo era o responsável por suas dificuldades recentes:

“Foi nesse ponto que nós descobrimos a coragem do povo da Vila de Salem, que estavam envolvidos na oposição ao que eles consideravam ser maquinações do Diabo – supondo eles que ele era a causa, operando através da ação de bruxas -, de toda a tortura e miséria em que eles se encontravam e que, pela sua oposição, eles eram responsáveis também a sofrer por sua malignidade. Eles acreditavam, também, que o diabo estava prestes a estabelecer um governo ou reino na Nova Inglaterra e que tinha escolhido efetivamente a Vila de Salem para começar. ”

captura-de-tela-2016-10-24-as-18-46-04Foi em meio a todas essas crises e disputas que a histeria teve início. Tudo começou em janeiro de 1962, quando a jovem Abigail Williams de 11 anos de idade, e sua prima, Betty Parris, de 9, adoeceram. Crianças adoeciam o tempo todo, mas essa não era uma doença comum. As meninas sofreram ataques tão terríveis que fez com que os outros chorassem ao vê-las: às vezes elas ficavam mudas, em outros momentos pareciam estar sufocadas por uma força invisível. Como se isso não bastasse, elas se queixaram de serem beliscadas e picadas, e de terem seus corpos puxados e torcidos contra a sua vontade.

Em desespero, o reverendo Samuel Parris, o pai de Betty, procurou ajuda médica. Longe de oferecer esperança, no entanto, o veredito do médico foi realmente grave. As meninas não foram atingidas por qualquer doença comum. O sofrimento delas era o trabalho do diabo – basicamente, elas haviam sido enfeitiçadas. Enquanto a família tentava digerir esse pronunciamento, outras duas meninas de Salem – Ann Putnam Jr e Elizabeth Hubbard -, começaram a apresentar os mesmos sintomas que suas amigas. Enquanto residentes locais debatiam esta evolução alarmante, sua vizinha Mary Sibley tomou o assunto em suas próprias mãos.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.45.56.pngEla instruiu a Tituba, a escrava dos Parris, para que preparasse um “bolo de bruxa”.
Este ‘bolo’ consistia na mistura de centeio e a urina das meninas aflitas, onde a massa seria cozida e então o cão da família seria alimentado com ele e cuidadosamente observado, pois quaisquer sinais da aflição inegavelmente confirmaria a causa do sofrimento das meninas.

Mesmo que realizado, – sem dúvida nenhuma -, de boa-fé, Tituba se lamentaria de sua parte na ação, pois uma vez que o bolo foi consumido, as meninas gritaram que a própria Tituba tinha sido quem as enfeitiçou.

Quando Reverendo Parris descobriu o que tinha sido feito, ele ficou horrorizado. Para piorar as coisas, o dedo tinha sido apontado para sua própria criada. Quando questionada, Tituba negou ser uma bruxa ou prejudicar as meninas, mas era tarde demais. As meninas continuaram a insistir que ela era a responsável, e também nomearam duas outras mulheres de Salem, – Sarah Good e Sarah Osborne – como suas cúmplices.

Depois de serem formalmente intimadas, as três mulheres foram examinadas por John Hathorne na capela local – o maior edifício em Salem. O quarto estava lotado pois todos os vizinhos compareceram para ouvir por si mesmos o que as “bruxas” diriam. As mulheres estavam entre assustadas, eloquentes e desafiadoras.
Sarah Good alegou que não tinha feito nada, mas que a culpa poderia ser colocada firmemente sobre Sarah Osborne.
Sarah Osborne igualmente negou seu envolvimento, apontando que ela não tinha culpa se o diabo escolheu usar um espírito em sua imagem para fazer o seu mal.
Em seguida, foi a vez de Tituba.
Longe de negar as coisas, ela confessou a uma sala atordoada que ela era culpada de causar danos às meninas por meio de magia maléfica. Ela não queria prejudicá-las, Tituba insistiu, tinha sido apenas a mando de Sarah Good e Sarah Osborne que ela tinha feito isso.

Ela descreveu em grandes detalhes os espíritos que suas associadas costumavam usar para fazer seus atos terríveis. Sarah Good usava um pássaro amarelo que a sugava entre os dedos, e Sarah Osborne tinha dois ajudantes espirituais – uma estranha criatura peluda, e o outro que tinha a cabeça e as pernas de uma mulher, mas também asas.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.45.46.pngAs meninas aflitas, – que estavam presentes na sala para fazer uma exposição de seus sofrimentos-, ficaram em silêncio enquanto Tituba falava, porém essa foi uma breve pausa, e elas começaram a sofrer de novo quando ela terminou. ‘E isto foi obra de Sarah Good’, Tituba anunciou e as meninas chorando alto concordaram. A sessão mergulhou no caos, deixando as boas pessoas de Salem com muito para falar enquanto iam para suas casas.

Ao longo das próximas semanas, as meninas continuaram a sofrer. Pior, mais meninas começaram a apresentar os mesmos sintomas terríveis. As primeiras outras meninas a começarem a sentir os sintomas foram Ann Putnam Jr., Mary Walcott e Mercy Lewis. Pouco tempo depois, Elizabeth Hubbard, Susannah Sheldon, Mary Warren e Elizabeth Booth começaram a sentir o mesmo, que consistia de sofrer ‘ataques’, se esconder debaixo dos móveis, se contorcer de dor e estado febril.

Muitas teorias modernas sugerem que as meninas estavam sofrendo de epilepsia, tédio, abuso infantil, doença mental ou até mesmo uma doença provocada pela ingestão de centeio infectado com algum fungo.

Em meio a isso outras pessoas, incluindo Martha Corey, Rachel Clinton, Dorothy Good (a filha de quatro anos de idade de Sarah Good) e a idosa Rebecca Nurse foram acusadas e presas.
Tituba continuou indo mais longe em suas confissões, dizendo que ela tinha assinado o livro do Diabo com seu próprio sangue, e que tinha visto as assinaturas de Sarah Good e Sarah Osborne lá também. Durante os meses de março e abril, a comunidade aterrorizada começou a acusar e prender uns aos outros em uma vã tentativa de livrar-se da maldição que parecia estar sobre eles.

Embora as meninas aflitas fossem as principais acusadoras durante os julgamentos, muitos historiadores acreditam que os pais delas, – particularmente Thomas Putnam e o Reverendo Samuel Parris -, foram os incitadores para as meninas e quem as encorajavam a acusar pessoas específicas que eles não gostam na comunidade, em um ato de vingança.

Em abril, mais mulheres e alguns homens também foram acusados, eram eles:
Sarah Cloyce, Elizabeth Proctor, John Proctor, Giles Corey, Abigail Hobbs, Deliverance Hobbs, William Hobbs, Mary Warren, Bridget Bishop, Sarah Wildes, Neemias Abbott Jr., Mary Easty, Edward Bishop, Sarah Bishop, Mary English, Phillip English, o Reverendo George Burroughs, Lydia Dustin, Susannah Martin, Dorcas Hoar, Sarah Morey, Sarah Dustin, Ann Sears, Arthur Abbott, Bethiah Carter, Bethiah Carter Jr,,Mary Witheridge, George Jacobs, Margaret Jacobs, Rebecca Jacobs, John Willard, Alice Parker, Ann Pudeator, Abigail Soames, Sarah Buckely, Elizabeth Colson, Elizabeth Hart, Thomas Farrar, Roger Toothaker, Mary Toothaker, Margaret Toothaker, Sarah Proctor, Mary DeRich, Sarah Bassett, Susannah Roots, Elizabeth Cary, Sarah Pease, Martha Carrier, Elizabeth Fosdick, Wilmot Redd, Elizabeth Howe, Sarah Rice, John Alden Jr, William Proctor, John Flood.

Mandados de prisão também foram emitidos para George Jacobs Jr. e Daniel Andrews, mas ambos conseguiram evitar a prisão.

Como se pode reparar, a grande maioria dos acusados fazia parte da mesma família, o que reafirma a ideia de que os julgamentos nada mais eram do que uma jogada de interesses pessoais de origem política e econômica, principalmente devido a antigas disputas por pedaços de terras.

Em maio, como o número de casos cresceu, e o governador William Phips criou um tribunal especial, conhecido como o Tribunal de Oyer e Terminer (“Ouvir e Determinar”) para ouvir e julgar os casos. Este foi um tipo especial de tribunal criado especificamente para julgar casos considerados extraordinários e de natureza grave. Contando com nove juízes para ouvir os processos contra os acusados, a notícia deveria ter enchido o povo de Salem com satisfação e alívio, já que os desordeiros seriam punidos com o que mereciam. No entanto, longe de diminuir, as acusações continuaram em um ritmo acelerado e novas prisões foram feitas. No momento em que o tribunal finalmente foi convocado pouco mais de duas semanas depois, no dia 2 de junho, haviam 62 pessoas mantidas sob custódia.

Embora a caça às bruxas tenha começado em Salem, rapidamente o caos se espalhou para as cidades vizinhas, incluindo Amesbury, Andover, Salisbury, Topsfield, Ipswich e Gloucester, e numerosos residentes dessas cidades foram trazidos para Salem e levados a julgamento.

O número de acusações e detenções começou a declinar em junho, mas ainda continuou e logo as cadeias locais contavam com mais de 200 “bruxos e bruxas” acusados e encarcerados. Devido à superlotação nas prisões, os acusados foram mantidos em várias diferentes prisões nas cidades Salem, Ipswich e Boston. A prisão de Salem localizava-se em uma esquina. A cadeia era uma pequena estrutura de madeira com um calabouço embaixo, pois uma vez que os acusados eram considerados prisioneiros perigosos, eles foram mantidos no calabouço e acorrentados às paredes porque funcionários da prisão acreditavam que isso iria impedir que seus espíritos fugissem da prisão para atormentar suas vítimas.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.45.35.pngOs acusados foram interrogados por um juiz na frente de um júri, que decidia se deveriam ou não indiciar o acusado sob a acusação de bruxaria. Se o acusado fosse indiciado, eles não estariam autorizados a pedir um advogado e deveriam se declarar culpados ou inocentes sem nenhuma orientação.

Um fato interessante e pouco mencionado sobre os julgamentos de Salem é que nem todos na Colônia acreditavam em bruxaria ou apoiaram os julgamentos. Havia muitos críticos da caça às bruxas, como o fazendeiro local John Proctor, que zombou da ideia de bruxaria em Salem e chamou as jovens meninas de golpistas. Porém, críticos como Proctor eram rapidamente acusados de bruxaria, sob a suposição de que qualquer um que negasse a existência de bruxas ou defendesse os acusados deveria ser  um deles, e foram levados a julgamento. De fato, toda a família de Proctor foi acusada, incluindo todos os seus filhos, sua cunhada e sua esposa Elizabeth, que estava grávida.


Os Julgamentos:

Bridget Bishop foi a primeira acusada a comparecer perante os juízes. Como qualquer prisioneira da época, ela já estava em desvantagem: culpado era o resultado mais frequentemente do que inocente, uma vez que o caso chegasse ao tribunal. Mas Bridget Bishop tinha ainda mais razões do que a maioria para temer este julgamento particular, pois esta não foi a primeira vez que a mulher três vezes casada havia sido acusada de bruxaria.

Seu segundo marido, Thomas Oliver, a tinha acusado enquanto ele estava vivo, e havia um boato de que ela tinha assassinado pelo menos um de seus outros maridos por bruxaria.
Embora ela já houvesse escapado da corda anteriormente, a evidência dada pelas meninas de Salem contra Bridget era condenável. Bridget foi acusada por cinco das meninas aflitos, Abigail Williams, Ann Putnam Jr., Mercy Lewis, Mary Walcott e Elizabeth Hubbard, que afirmaram que ela as teria machucado fisicamente e tentou fazê-las assinar um pacto com o Diabo. Ela teria ido até elas em forma fantasmagórica, as atormentando fisicamente com beliscões e aguilhões e ameaçando afogar uma das meninas quando ela recusou a assinar o livro do diabo para ela.

Durante o julgamento, Bridget Bishop defendeu-se repetidamente, afirmando “Sou inocente, eu não sei nada sobre isso, eu não fiz nenhuma bruxaria…. Eu sou tão inocente como uma criança por nascer…”

captura-de-tela-2016-10-24-as-18-45-18Na frente da sala lotada, as pessoas testemunharam a ‘culpa’ de Bridget com seus próprios olhos. Se a mulher acusada olhava para as meninas, eles caíam em ataques, choro e começavam a se contorcer penosamente para todos verem. Como se isso não fosse suficiente, alguém declarou que forma espectral de Bridget tinha rasgado seu casaco – e quando o revestimento foi analisado, havia de fato um desfio como indicado. As acusações contra ela foram confirmadas e ela foi considerada culpada, indo para a forca no dia 10 de junho, e dessa forma os julgamentos das Bruxas de Salem fizeram a sua primeira vítima, mas era apenas o começo.

No mês seguinte, mais cinco pessoas foram enforcadas, incluindo Rebecca Nurse. A execução de Rebecca Nurse foi um momento crucial nos julgamentos das bruxas de Salem, pois embora a maioria das outras mulheres acusadas fossem excluídas sociais e impopulares, Rebecca era uma senhora piedosa, muito respeitada e bem-amada da comunidade.
Quando ela foi presa, muitos membros da comunidade assinaram uma petição pedindo sua libertação. Embora ela não tenha sido libertada, a maioria das pessoas estavam confiantes de que ela seria considerada inocente. E, de fato, seu veredicto inicial foi esse, mas ao ouvir o veredito as meninas aflitas começaram a ter convulsões no tribunal. O Juiz Stoughton pediu ao júri que reconsiderasse o seu veredicto e uma semana depois, o júri mudou de ideai e declarou Rebecca culpada. Foi após a execução dela em 19 de julho, que os moradores de Salem começaram a questionar seriamente a validade dos julgamentos.

captura-de-tela-2016-10-24-as-18-45-09Em 23 de julho John Proctor escreveu ao clero em Boston. Ele sabia que o clero não aprovava plenamente a caça às bruxas. Proctor disse-lhes sobre a tortura infligida aos acusados e pediu que os julgamentos fossem transferidos para Boston, onde ele sentia que iria receber um julgamento justo. O clero realizou uma reunião em 1º de agosto para discutir os julgamentos, mas não foi capaz de ajudar Proctor antes de sua execução.
A esposa de Proctor conseguiu escapar da pena máxima porque ela estava grávida, mas Proctor foi enforcado em 19 de agosto, juntamente com outras cinco pessoas.

Outra pessoa notável que foi acusado de bruxaria foi o capitão John Alden Jr., o filho do tripulante John Alden. Alden foi acusado de bruxaria por uma criança durante uma viagem para Salem, enquanto ele estava em seu caminho para sua casa em Boston, voltando de uma viagem ao Canadá. Alden passou 15 semanas na prisão antes que seus amigos o ajudassem fugir e assim ele escapou para Nova York. Anos mais tarde ele foi exonerado.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.45.00.pngAinda um outro momento crucial durante os julgamentos das bruxas de Salem foi a tortura pública e a morte de Giles Corey. Corey foi acusado de bruxaria em abril, durante o exame de sua esposa. Sabendo que se ele fosse condenado sua grande propriedade seria confiscada e não seria transmitida aos seus filhos, Corey trouxe ao seu julgamento um impasse por se recusar a entrar em um acordo.
O Direito Inglês ditava que qualquer um que se recusasse a entrar em um acordo poderia ser torturado em uma tentativa de forçar um apelo delas. Essa tática legal era conhecida como “peine forte et dure” que significa “até que seja atendido ou morram. ” A tortura consistia em colocar o prisioneiro no chão, nu, com uma placa em cima dele. Pedras pesadas seriam carregadas até a placa e o peso seria gradualmente aumentado até que o esmagamento induzisse o apelo ou matasse o acusado.

Em meados de setembro, Corey foi torturado desta forma por três dias em um campo perto em Howard Street, até que finalmente morreu no dia 19 de setembro. Sua morte foi horrível e cruel e reforçou a crescente oposição aos julgamentos das bruxas de Salem. À medida que os julgamentos e execuções avançaram, os colonos começaram cada vez mais a duvidar de que tantas pessoas realmente pudessem ser culpadas deste crime. Eles temiam que muitas pessoas inocentes estivessem sendo executadas. Clérigos locais começaram a falar contra a caça às bruxas e tentaram persuadir os oficiais a parar com os julgamentos.


Como os julgamentos chegaram ao fim?

Por volta do final de setembro, o uso de prova espectral foi finalmente declarado inadmissível, marcando assim o início do fim dos julgamentos das bruxas de Salem. Embora a evidência espectral, – ou seja, evidências baseadas em sonhos e visões -, não fosse a única prova usada durante os mesmos, era a evidência mais comum e a prova mais fácil para acusadores de falsificar.

Outras evidências utilizadas incluíam confissões dos acusados, a posse de certos itens, como bonecos, pomadas ou livros sobre o oculto, bem como a presença de uma suposta “teta de bruxa”, que seria uma marca estranha ou defeito encontrado em alguma parte do corpo da pessoa acusada.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.44.48.pngConforme mencionado no início deste artigo, em 22 de setembro, oito pessoas foram enforcadas. Estas foram as últimas vítimas do julgamento das bruxas de Salem. Em 29 de outubro, O Tribunal de Oyer e Terminer foi rejeitado e as 52 pessoas restantes na prisão foram julgadas por um novo tribunal, o Tribunal de Judicatura, até o final daquele ano. O novo tribunal foi presidido por William Stoughton, Thomas Danforth, John Richards, Waitstill Winthrop e Samuel Sewall. Uma vez que a evidência espectral não mais era autorizada, a maioria dos prisioneiros restantes não foram considerados culpados e foram liberados devido a uma falta de uma evidência real. E mesmo aqueles que foram considerados culpados foram perdoados pelo governador. E assim acabou. A histeria sobre as bruxas de Salem finalmente havia chegado ao fim.

É um mito comum o de que as vítimas da caça às Bruxas de Salem foram queimadas na fogueira. O fato é que existiram bruxas acusadas que foram queimadas na fogueira em Salem, Massachusetts. Mas neste caso específico, Salem era governada pela lei Inglesa, e no momento só era permitida a morte na fogueira em casos contra homens que cometeram Alta Traição e só depois de terem sido enforcados, esquartejados e eviscerados.
Quanto ao porquê dessas vítimas terem sido escolhidas como alvo, os historiadores têm notado que muitos dos acusados eram mais ricos e possuíam diferentes crenças religiosas dos seus acusadores. Isso, juntamente com o fato de que os acusados também tinham suas propriedades confiscadas caso fossem condenados, tem levado muitos historiadores a crer que rixas religiosas e disputas por propriedades foram o real motivo por trás dos julgamentos.


Onde as vítimas dos julgamentos em Salem foram enterradas?

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.44.39.pngDepois de cada execução, o corpo da vítima era cortado e colocado em uma fenda de uma rocha nas proximidades ou enterrado em uma cova rasa em algum lugar no local da execução, de acordo com um artigo escrito por William P. Upham para a Sociedade Histórica em 1903:

É bem sabido que as vítimas executadas como bruxas em Gallows Hill, em Salem, em 1692, foram lançadas em meras covas rasas ou fendas na borda sob a forca, onde a natureza do terreno não permitia o enterro completo, indicando que partes dos corpos mal foram cobertas em tudo.

Como foram condenados por bruxaria, eles não foram autorizados a ter um enterro cristão em solo consagrado. Parentes de várias vítimas como Rebecca Nurse, John Proctor e George Jacobs, supostamente recuperaram os corpos de seus entes queridos e deram-lhes um enterro cristão na propriedade da família. Não se sabe o que aconteceu com os corpos não reclamados, ou se houve algum corpo não reclamado, mas se houver, eles provavelmente ainda estão enterrados em covas rasas sem marcação no local de sua execução.


A Vida após os julgamentos das bruxas de Salem:

Negócios, tarefas diárias, e muitas outras atividades cotidianas foram negligenciadas durante o caos dos julgamentos, causando muitos problemas na colônia que se estenderam durante os próximos anos, e de acordo com o livro The Witchcraft of Salem Village’:

Toda a colônia tinha sofrido. As pessoas tinham estado tão determinadas a caçar e destruir bruxas que tinham negligenciado todo o resto. O Plantio, cultivo, os cuidados de casas, celeiros, estradas e cercas foram todos esquecidos. Como resultado direto disto, a comida tornou-se escassa e os impostos mais elevados. Fazendas foram hipotecadas ou vendidas, tanto para pagar as taxas de prisão, quanto para pagar impostos; e frequentemente elas foram abandonadas. A Vila de Salem começou a entrar na lenta decadência que eventualmente apagou suas casas e muros, mas nunca o seu nome e memória da história.

Com o passar dos anos, os colonos começaram a se sentir envergonhados e arrependidos pelo que aconteceu durante os julgamentos. Desde de que os julgamentos terminaram, a colônia também começou a sofrer muitas desgraças como secas, quebras de safra, os surtos de varíola e ataques de nativos e muitos começaram a se perguntar se Deus não os estaria punindo por seu erro.

Em 17 de dezembro de 1697, o governador Stoughton emitiu uma proclamação na esperança de fazer as pazes com Deus. A proclamação sugeriu que deveria ser: “Reservado um dia de oração e jejum em toda a província, de modo que o povo de Deus possa pôr de lado o que tem estimulado a ira do Santo de Deus contra a sua terra…”

O dia de oração e jejum foi realizada em 15 de janeiro de 1697, e ficou conhecido como o Dia da Humilhação Oficial
Em 1706, Ann Putnam, uma das ‘meninas aflitas’, também emitiu um pedido público de desculpas por seu papel nos julgamentos das bruxas de Salem, em particular no caso contra sua vizinha, Rebecca Nurse. Este foi seu pedido de desculpas:

Quero me humilhar diante de Deus pela providência triste e humilhante que se abateu sobre a família do meu pai no ano de 92; em que eu, então na minha infância, por tal providência de Deus, fui ser um instrumento para a acusação de várias pessoas de um crime grave, em que suas vidas foram tiradas deles, ao que agora eu tenho apenas fundamentos e boa razão para acreditar que eles eram pessoas inocentes; e que era uma grande ilusão de Satanás que me enganou nesse momento triste, em que eu justamente temo que tenha sido fundamental, com os outros, apesar de ignorante e sem querer, para trazer sobre mim e esta terra a culpa do sangue inocente; embora o que foi dito ou feito por mim contra qualquer pessoa eu posso com boa fé e retidão dizer, diante de Deus e do homem, eu não fiz isso por de qualquer raiva, malícia ou má vontade contra qualquer pessoa, pois eu não tinha tal coisa contra nenhum deles; mas o que eu fiz foi por ignorância, sendo iludida por Satanás. E, particularmente, como eu era um instrumento da acusação d e Rebecca Nurse e suas duas irmãs, desejo estar na poeira e ser humilhada por isso, em que eu fui uma causa, tal como os outros, de tão triste calamidade para eles e suas famílias; por esta causa que eu desejo deitar no pó, e sinceramente pedir perdão de Deus e de todos aqueles a quem eu causei apenas sofrimento e ofensa, e cujas relações foram tirados ou acusadas. ”

Em 1711, a colônia aprovou uma lei restaurando alguns dos nomes das bruxas condenadas e pagou um total de £ 600 em restituição aos seus herdeiros. Uma vez que algumas famílias das vítimas não queriam que seus parentes fossem listados, nem todas as vítimas foram nomeadas.

O projeto de lei limpou os nomes de George Burroughs, John Proctor, George Jacobs, John Willard, Giles Corey, Martha Corey, Rebecca Nurse, Sarah Good, Elizabeth Howe, Mary Easty, Sarah Wildes, Abigail Hobbs, Samuel Wardwell, Mary Parker, Martha Carrier, Abigail Faulkner, Anne Foster, Rebecca Eames, Mary Post, Mary Lacey, Mary Bradbury e Dorcas Hoar.

captura-de-tela-2016-10-24-as-18-44-29Uma vez que alguns dos oficiais envolvidos nos julgamentos das bruxas de Salem começaram a ser processados por algumas das vítimas sobreviventes, o projeto de lei também declarou que: “Nenhum xerife, policial, oficial ou outro funcionário será responsabilizado por qualquer processo na Lei por qualquer coisa que eles, tenham feito legalmente fez na execução dos seus respectivos cargos”.

Em 1957, o estado de Massachusetts oficialmente pediu desculpas pelos julgamentos das bruxas de Salem e limpou o nome de algumas das vítimas restantes não listados na lei 1711. Em novembro de 1991, as autoridades da Cidade de Salem anunciaram planos para um Memorial ao Julgamento das Bruxas em Salem. Em 31 de outubro de 2001, o estado alterou o pedido de desculpas 1957 e limpou os nomes das restantes vítimas identificadas.


Segue abaixo uma lista com os acusados durante os julgamentos e suas respectivas sentenças:

  • Considerados culpados e executados:

Bridget Bishop (10 de junho de 1692)
Sarah Good (19 de julho de 1692)
Elizabeth Howe (19 de julho de 1692)
Susannah Martin (19 de julho de 1692)
Rebecca Nurse (19 de julho de 1692)
Sarah Wildes (19 de Julho , 1692)
George Burroughs (19 de agosto de 1692)
Martha Carrier (19 de agosto de 1692)
John Willard ( 19 de agosto de 1692)
George Jacobs  (19 de agosto de 1692)
John Proctor (19 de agosto de 1692)
Alice Parker (22 de setembro , 1692)
Mary Parker (22 de setembro de 1692)
Ann Pudeator (22 de setembro de 1692)
Wilmot Redd (22 de setembro de 1692)
Margaret Scott (22 de setembro de 1692)
Samuel Wardwell (22 de setembro de 1692)
Martha Corey (22 de setembro, 1692)
Mary Easty (22 de setembro de 1692)

  • Recusou-se a fazer um acordo e foi torturado até a morte:

Giles Corey (19 de setembro de 1692)

  • Considerados culpados e perdoados:

Elizabeth Proctor
Abigail Faulkner Sr
Mary Post
Sarah Wardwell
Elizabeth Johnson Jr
Dorcas Hoar

  • Se declararam culpados e perdoados:


Rebecca Eames
Abigail Hobbs
Mary Lacy Sr
Mary Osgood

  • Morreram na prisão:

Sarah Osburn
Roger Toothaker
Ann Foster
Lydia Dustin

  • Escaparam da prisão:

John Alden Jr.
Edward Bishop Jr.
Sarah Bishop
Mary Bradbury
William Barker Sr.
Andrew Carrier
Katherine Cary
Phillip English
Mary English
Edward Farrington

  • Nunca acusados:

Sarah Bassett
Mary Black
Bethiah Carter, Jr
Bethiah Carter, Sr
Sarah Cloyce
Elizabeth Hart
William Hobbs
Thomas Farrer, Sr
William Proctor
Sarah Proctor
Susannah Roots
Ann Sears
Tituba

  • Detenções evadidas:

George Jacobs Jr
Daniel Andrews

Outras vítimas incluem dois cães que foram baleados e mortos depois de serem suspeitos de bruxaria.


Tituba: A escrava bruxa de Salem:

Não se sabe muito sobre a vida de Tituba exceto que ela nasceu em uma Aldeia Arawak da América do Sul, onde ela foi capturada durante a sua infância e levada para Barbados como escrava. Os vários documentos e livros escritos sobre os julgamentos das bruxas de Salem ao longo dos anos, muitas vezes referem-se a Tituba como negra ou parda, mas os documentos judiciais reais de seu julgamento se referem a ela como uma ‘mulher índia’.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.44.18.pngO Reverendo Parris ou um associado posterior a comprou em Barbados quando ela era adolescente e a levou para Boston em 1680. Em novembro de 1689, Samuel Parris se mudou com sua família e Tituba para Salem depois de ser nomeado o novo ministro da Vila. Mais de uma década depois, Tituba foi uma das primeiras mulheres a ser acusada de bruxaria durante a histeria de 1692.

Algumas fontes sugerem que Tituba foi nomeada uma bruxa porque ela supostamente praticava voodoo e ensinou as meninas de Salem os mistérios da adivinhação, mas não há referências sobre isso nos registros judiciais e nenhuma evidência real de que ela fez isso.

De acordo com o livro ‘Tituba: The Reluctant Witch of Salem’:

A epidemia de comportamentos estranhos e acusações não se espalhou para outras vítimas até depois da prisão de Tituba e seus vários depoimentos que começam em 1º de março. A conclusão da confissão notável de Tituba marcou um novo capítulo nos episódios da Caça às Bruxas na Nova Inglaterra. A confissão de Tituba é a chave para entender por que os eventos de 1692 assumiram tal proporção épica”.

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.44.06.pngFoi sua confissão e seu testemunho dramático que convenceram o povo de Salem que este não era um incidente isolado e que o diabo tinha invadido Salem. Tituba passou a descrever as conversas que teve com porcos malignos, cães e ratos que ordenavam-lhe fazer coisas e disse que testemunhou pessoalmente Sarah Good e Sarah Osbourne transformarem-se em estranhas criaturas aladas.

Existem muitas razões pelas quais Tituba pode ter feito essas confissões dramáticas. Muitas fontes, incluindo a própria Tituba, indicam que ela foi forçada a confessar depois de ser espancada por Parris. Além disso, como uma escrava sem posição social, dinheiro ou bens pessoais na comunidade, Tituba não tinha nada a perder confessando o crime e, provavelmente, sabia que uma confissão poderia salvar sua vida.

Uma vez que Tituba confessou, seu caso nunca foi a julgamento e ela foi poupada da forca. De acordo com o já citado livro Tituba: The Reluctant Witch of Salem, Tituba permaneceu na prisão, mas enquanto os julgamentos das bruxas continuaram, ela retratou sua confissão:

”No final Tituba desmentiu sua confissão, admitindo que ela havia mentido para proteger-se. Essa ação teve pouco efeito sobre os eventos subsequentes e quase se perdeu no meio dos outros confessores, que com medo da desgraça, admitiram seu pecado terrível”. 

Captura de Tela 2016-10-24 às 18.43.52.pngA tentativa de Tituba de retratar sua confissão recebeu pouca atenção na época e foi ignorada nos relatórios escritos da maioria dos observadores. Apenas Robert Calef fez nota sobre isso:
‘A alegação de que ela [Tituba], uma vez deu disto é que seu Mestre bateu nela e abusou dela de outras maneiras a fim de fazê-la confessar e acusar (como ele as chamava) suas irmã-bruxas, e que tudo o que ela disse por meio de confissão ou acusando aos outros foi o feito por tal motivo’. ”

Em 9 de maio, 1692, um grande júri em Ipswich se recusou a indiciar Tituba, escrevendo ‘ignorante’ em sua papelada, indicando que ela não foi considerada culpada devido à falta de provas. Apesar disso, Tituba permaneceu na cadeia em Boston porque Parris se recusou a pagar suas taxas de prisão, por razões desconhecidas. É possível que ele tenha querido se livrar dela porque ela era uma lembrança dos julgamentos das bruxas ou porque ele estava zangado com ela por retificar sua confissão.
Em abril de 1693, Tituba foi vendida para uma pessoa desconhecida pelo o preço de suas taxas de prisão. Supõe-se também seu marido, John, foi vendido junto com ela. Não se sabe o que aconteceu com eles após esta data.


Conclusão:

Como já foi mencionado, muitos historiadores acreditam que um grande número de indivíduos na colônia, particularmente a família Putnam, rapidamente aproveitou-se da caça às bruxas e da histeria em massa, para acusar vizinhos rivais ou outros colonos que eles desaprovavam ou de quem queriam se vingar.

Puritanos eram muito hostis com os colonos que não seguiam as regras religiosas e sociais estritas na colônia. Como resultado, não é de estranhar que muitas das bruxas acusadas eram mulheres francas, Quakers, escravos, colonos com antecedentes criminais e/ou acusações de feitiçaria anteriores ou colonos que criticaram os julgamentos de bruxas. De acordo com o livro The Societal History of Crime and Punishment in America:

Um certo número de historiadores têm especulado a respeito do porquê de a caça às bruxas ter ocorrido e por que certas pessoas foram escolhidas. Estas razões propostas incluíram vinganças pessoais, o medo de mulheres fortes e competição econômica. Independentemente disso, o julgamento das bruxas de Salem é um Memorial e um aviso sobre o que a histeria, a intolerância religiosa, e a ignorância podem causar no sistema de justiça criminal”.

No final, todos estes fatores criaram uma situação volátil e perigosa que resultou na prisão e morte de muitas pessoas inocentes.


Bibliografia:

All About History – Issue 36, 2016. Salem Witch Trials – The real story behind the Crucible by Willow Winsham.

History of Massachusetts: AQUI – [ The Salem Witch Trails]. Acesso em 2016.

Semana das Bruxas – Acompanhe nossa série de artigos sobre o tema:
Mulheres, Rainhas, Bruxas – Um estudo sobre poder, misoginia e política na história
Madame Montespan: De favorita do rei a ‘bruxa’ na corte de Luís XIV 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s