O Glorioso Discurso de Elizabeth I em Tilbury – e suas ligações com Maria I

Captura de Tela 2015-08-11 às 17.09.43Em 09 de agosto de 1588, a Rainha Elizabeth I fez o discurso que alavancou sua fama. Ele foi recriado muitas vezes na cultura popular: filmes, televisão e inúmeros gêneros literários. Porém, quando paramos para ler o documento inteiro, percebemos o pleno impacto de suas palavras e como Elizabeth foi inteligente em apresentar-se como legítima monarca inglesa.

Discurso proferido por Elizabeth:

”Meus queridos súditos, fui compelida por aqueles que zelam por minha segurança pessoal, que devo tomar cuidado ao expor-me à multidões armadas, por temor à traições; mas asseguro-lhes que não desejaria viver para desconfiar de meu leal e afetuoso povo. Deixem que os tiranos temam, eu conduzi-me de tal modo que, diante de Deus, minha principal fortaleza e minha segurança, descansam nos corações leais e boa vontade de meus súditos. E portanto, eu venho até vocês, como vêem, neste momento, não para entreter-me ou divertir-me, mas estando decidida a viver ou morrer entre vocês, no calor da batalha, disposta à entregar minha honra e meu sangue por amor a Deus e pela salvação de meu reino e de meu povo. Sei que tenho o frágil e fraco corpo de uma mulher, mas eu tenho o coração e estômago de um Rei, e de um Rei da Inglaterra também. E menosprezo Parma, Espanha ou qualquer Príncipe da Europa, que ouse invadir as fronteiras de meu reino; no qual, se isto ocorrer, antes que qualquer desonra recaia sobre mim por minha culpa, eu mesma empunharei as armas, eu mesma serei seu general e seu juíz e saberei recompensar cada uma de suas virtudes no campo de batalha”.

Naquele dia, ao contrário do que temiam, não houve batalha em solo inglês. Os navios espanhóis continuaram a navegar rumo ao Norte, sendo atingidos por um tempo ruim. Enquanto o discurso de Elizabeth I é impressionante, ele também é uma elizabeth-horsereminiscência de sua irmã, a primeira rainha reinante da Inglaterra, Maria I – e em mais de um sentido – antecessora de Elizabeth. O discurso de Maria I no início da Rebelião Wyatt, é tão semelhante – onde ela jura que vai dar a vida por seu reino e como a biógrafa Tudor Lisle aponta: “Ela já havia negociado uma inspeção altamente bem sucedida de suas tropas”.  Também no ano anterior, quando Maria estava prestes a tomar sua coroa de Jane Grey, ela havia cavalgado para ”fora do Castelo de Framlingham, para  reunir e inspecionar o mais esplêndido e leal exército”. A tropa de Maria, foi descrita por contemporâneos, como uma elaborada linha de batalha. Ela foi montada em um cavalo branco e os homens ficaram de joelho quando ela aproximou-se.

Tais empreitadas de Maria I durante seu reinado, de maneira alguma minimizam o sucesso de Elizabeth; assim como sua irmã, Elizabeth sabia da importância do imaginário popular e neste dia, ela foi descrita como “Pallas armada” e comparada com a deusa da guerra, Atenas. Isto não quer dizer que ela trajou uma armadura completa, conforme fora ilustrado no filme “Elizabeth: A Era de Ouro”. Isto foi simplesmente uma alusão à sua forma de expressão e comportamento durante este período. Elizabeth usava roupas tradicionais – embora com um corset de ferro – com suas damas também vestidas tradicionalmente “em diamantes e tecido de ouro”. Além de Maria, há também outra figura que temos de agradecer para o sucesso de Elizabeth; sua última madrasta, Catarina Parr, que nas palavras de Porter: ”Fez com que Bess aprendesse muito sobre como as mulheres podem pensar por si e governar”. Com estas mulheres como seus exemplos, Elizabeth rumou sem medo para inspecionar suas tropas e proferiu um dos melhores discursos de seu reinado. Embora fosse mulher – como disse – em um período extremamente misógino, ela tinha o coração de um rei e dizendo tais palavras, ela manteve a sabedoria ElizaTilburyconvencional de que o lugar da mulher era em casa, ou ao lado de seu marido. Ela ao mesmo tempo também, manteve o mantra Anglicano, de que como monarca, ela era a cabeça da igreja e portanto, Deus a havia chamado para realizar um trabalho especial, que não poderia ignorar. Como em sua coroação, quando ela apresentou-se como Deborah, a guerreira da bíblia, Elizabeth estava apresentando-se tanto como uma mulher – consciente de seu lugar -, como também um monarca e chefe da igreja que iria colocar Deus e seu reino, em primeiro lugar.

Nota: No novo calendário, o discurso é no dia 19. Os ingleses não começaram a usar o novo calendário até muito mais tarde.

FONTES:
Artigo escrito por nossa página parceira (conheçam!): Tudors and other histories: AQUI.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s