A ascendência Tudor de Anastásia Romanov

postMuitos conhecem ou já ouviram falar na jovem Grã-duquesa Anastásia, filha de Nicolau II Romanov, o último Imperador da Rússia. Ela, juntamente com sua família, morreu assassinada por soldados bolcheviques, em 1918. O que poucos sabem, é que Anastásia, juntamente com seus irmãos, descendia por via materna, da Dinastia Tudor. Neste artigo, iremos falar um pouco sobre a Grã-duquesa, seguido de suas peças-chave genealógicas, ou seja, antepassados que permitiram que a jovem Grã-Duquesa, descendesse da Dinastia fundada por Henrique Tudor.

Após o que ficaria conhecido como, o assassinato dos Romanov, boatos circularam, onde muitos acreditavam que a jovem e extrovertida filha mais nova de Nicolau e sua esposa Alexandra, na realidade escapara do trágico destino de seus familiares. Estes boatos, foram depois reforçados, pelas inúmeras mulheres que alegavam ser a própria jovem grã-duquesa, que conseguira escapar sã e salva daquele trágico fim. Provavelmente as mais famosas mulheres a alegarem ser Anastásia, foram – em ordem – Anna Anderson, Eugenia Smith e Nadezhda Ivanovna Vasilyeva.

Graças a tais boatos, que mais tarde seriam imortalizados em grandes clássicos de Hollywood, como ”Anastásia” de 1956 – estrelando a bela Ingrid Bergman no papel principal – e claro, para os mais jovens, a animação de mesmo nome de 1997 – produzida pela 20th Century Fox -, a Grã-Duquesa, passou a viver no imaginário popular, atingindo um status de alto interesse e cultuamento histórico.

Em nosso artigo de genealogia de hoje, falaremos sobre a ascendência inglesa, pouco conhecida da jovem Anastásia, traçando suas raízes até claro, o período Tudor. Exatamente, poucos sabem, mas por via materna, ela descendeu de nomes como James I da Inglaterra, Maria Stuart, Margaret Tudor e claro, Henrique VII.

Para chegarmos em Henrique VII, traçaremos a árvore genealógica de Anastásia via materna e com isso, como de costume, encontraremos o que gosto de denominar – vide meus outros artigos sobre o assunto – de peça-chave para a ancestralidade da pessoa em questão.

Como a retratada de hoje provém do século XX, tendo por este motivo, suas raízes mais distantes do período Tudor, usarei duas peças-chaves para designar sua ancestralidade, que são mãe e filha respectivamente, Elizabeth da Boêmia e Sofia de Hanover.

Porém, para que tudo fique muito bem explicado, antes falarei um pouco sobre Alexandra Feodorovna ou Alice de Hesse, a mãe da Grã-duquesa.

Alexandra Feodorovna:

Alexandra_Fyodorovna_LOC_01137uAlexandra nasceu em Darmstadt, uma cidade localizada em Hessen, na Alemanha, no dia 6 de Junho de 1872. Seu nome era Vitória Alice Helena Luísa Beatriz de Hesse, e ela era filha de Luís IV, Grã-Duque de Hesse e sua esposa, a inglesa, Alice do Reino Unido. Alice, mãe de Alexandra, foi a terceira filha da rainha Vitória e de seu marido Alberto de Saxe-Coburgo-Gota. Isto faz de Anastásia, bisneta de Vitória do Reino Unido. Como sabemos, os monarcas britânicos descendem dos Tudors, à partir de algumas peças-chave, como Maria Stuart, James I, Margaret Tudor e etc… Após casar-se com Nicolau, Alice, como era conhecida, converteu-se à Igreja Ortodoxa Russa e passou a chamar-se Alexandra, como a maioria das pessoas a conhecem e designam até hoje. Dado o nome tipicamente russo, seguido do país de origem de Anastásia, muitas pessoas não vão muito mais além na genealogia da jovem e não notam o parentesco com a rainha inglesa e sequer sua ancestralidade britânica.

Elizabeth da Boêmia:princess-elizabeth-the-daughter-of-king-james-i-marcus-gheeraertsElizabeth da Boêmia (nascida Stuart), nasceu em 19 de Agosto de 1596 na Escócia, durante o reinado de Elizabeth I – tendo recebido seu nome, em homenagem a última monarca Tudor. Ela fora filha de James I da Inglaterra e sua esposa, Ana da Dinamarca, consequentemente, sendo neta de Maria Stuart, Rainha dos Escoceses. Ela viveu no auge das revoltas anti-protestantes inglesas, como a Conspiração da Pólvora em 1605 e a Guerra civil inglesa, que culminaria com a execução de seu irmão Charles I em 30 de Janeiro de 1649 e deposição da monarquia inglesa; seguida da ascensão de seu sobrinho Charles II e restauração monárquica em solo inglês, em 1660.

Seu casamento com Frederico V, Eleitor Palatino, fora a primeira das muitas principais conexões que uniriam a antiga linhagem inglesa-escocesa Stuart, com a Alemanha. Seus descendentes, fariam casamentos por toda a Europa e graças a um deles, no caso, Sofia de Hanover, a coroa britânica passaria para um alemão protestante.

Devido sua crescente popularidade e a fim de proteger o protestantismo no Império contra Fernando II, o Sacro Imperador Romano – que era católico, em uma fase de consolidação do protestantismo em solo europeu – foi dada a Frederico, a coroa da Boêmia, fazendo dele e de sua mulher, rei e rainha da Boêmia, respectivamente. Porém, seu reinado protestante fora breve, terminando com uma amarga derrota em âmbito militar, no que ficara conhecida como ”Battle of White Mountain – Batalha da Montanha Branca” – contra a liga católica alemã. Esta derrota implicaria na perseguição e morte de alguns protestantes alemães. Graças a seu curto reinado, eles ficariam conhecidos como ”O rei e rainha de inverno”. Após seu exílio e morte de seu marido, ela retorna à Inglaterra, local onde passara parte de sua vida, morrendo em 13 de Fevereiro de 1662.

Sofia de Hânover:
640px-SophiaofHanover
Ela foi filha de Elizabeth da Boêmia (acima) e seu marido Frederico V. Sofia casou-se com Ernesto Augusto, Eleitor de Hanover e fora mãe de George Eleitor de Hanover, um protestante alemão, que viria a tornar-se George I da Grã-Bretanha. É essencial falar destas duas personagens históricas, mãe e filha, a fim de entendermos como o trono inglês passou para as mãos de um alemão – no caso George – fazendo com que a casa alemã de Hanover, passasse a figurar no meio das casas reais inglesas e reinasse sob a Inglaterra, até o reinado de Vitória do Reino Unido.

Com o que ficaria conhecido como ”Act of Settlement”, ou Ato de Estabelecimento – um decreto de 1701, que tinha como finalidade, entregar a coroa britânica para seus herdeiros protestantes, no caso, Sofia de Hanover – a coroa britânica passou para um herdeiro alemão. Tudo devia-se ao fato de Maria II e seu marido William III, não possuírem herdeiros ao trono e claro, ao fato de todos os outros possíveis herdeiros Stuart, serem católicos. A intenção era clara, preservar o protestantismo em território inglês, mesmo que isso custasse relegar o trono, aos seus herdeiros não católicos, ao invés dos especificamente diretos e católicos. Após a morte de Maria e William, o trono acabou sendo herdado por Ana, neta de Charles I.

O consentimento real em relação ao ato parlamentar de 1701, fora inicialmente vetado por Ana, a herdeira do trono por direito de linhagem, porém, tempos depois aceita, com o que viria a ser o Decreto da Seguridade de 1704. Ana reinou de 1702 a 1707, quando transformou as coroas da Escócia e Inglaterra em um único estado soberano, a Grã-Bretanha. Sem um herdeiro que sobrevivesse, Ana relutante, aceitou as condições referentes à sucessão Hanoveriana.

Os descendentes de Sofia através de seu filho George, reinariam na Inglaterra, e com talvez a mais ilustre dos Hanovers, Vitória, chegariam ao resto da Europa através de seus descendentes e é ai, que chegamos na jovem Grã-Duquesa Anastásia. É claro que tudo fora bastante sintetizado e que os eventos que acarretaram a entrega do trono do que passou a ser conhecido como Grã-Bretanha a um alemão protestante, foram muito mais complexos. Porém, como a intenção do artigo é traçar de modo rápido uma conexão entre o retratado (no caso Anastásia) e suas peças genealógicas chave, espero que tenhamos conseguido ao menos, esclarecer um pouco, esta parte da história britânica.

E foi assim, que graças a essas duas mulheres, que nunca (obviamente) saberiam da existência de Anastásia, conferiram à ela e a tantos outros nobres e monarcas europeus, um pouquinho do sangue Tudor, correndo em suas veias.

Vamos agora, traçar a árvore genealógica, que vai de Anástasia, até o fundador da Dinastia Tudor, Henrique VII. Veja à seguir:

Anastásia – Grã-duquesa da Rússia
I
Alexandra Feordovna – Imperatriz da Rússia
I
Alice do Reino Unido
I
Rainha Vitória do Reino Unido
I
Eduardo, Duque de Kent
I
George III do Reino Unido
I
Frederico, Príncipe de Gales
I
George II da Grã-Bretanha
I
George I da Grã-Bretanha
I
Sofia de Hanover
I
Elizabeth da Boêmia
I
James I da Inglaterra
I
Maria Stuart, Rainha da Escócia
I
James V da Escócia
I
Margaret Tudor
I
Henrique VII, fundador da Dinastia Tudor.

Espero que tenham gostado de mais um artigo de genealogia. Tem alguma sugestão? Mande para nós!

Fontes:
Para mais artigos sobre a Grã-duquesa, acessem nossa página parceira: Rainhas Trágicas.
Sophia of Hanover: From Winter Princess, to Heiress of Great Britan – J.N. Duggan.

 

tudors

6 comentários Adicione o seu

  1. Sandra Coelho disse:

    Eu amo este tipo de artigos, acho fantástico compreender a ligação entre as pessoas após séculos.

    Continuem! ❤

    1. Fabiano disse:

      Então você ama genealogia. Já pensou em criar sua árvore genealógica? Eu tenho a minha em alguns sites como o FamilySearch.org, o geni.com e o genoom. Cadastre-se gratuitamente, vá colocando seu nome, os dos seus pais, avós, bisavós e por aí vai. Já cheguei a ancestrais meus do século IX. Consegui comprovar um boato que sempre ouvi na minha família, o de que éramos parentes de sangue da Marquesa de Santos. Também tenho a Anastasia na minha árvore:

      Veja: http://www.geni.com/path/Fabiano+is+related+to+Anastasia-Nikolaevna-Romanova?from=6000000019335525724&to=6000000006101264133

      Boa sorte e parabéns por partilhar essa paixão comigo.

  2. Susane disse:

    Também achei o artigo fantástico, mas não vi a Bibliografia. Ou vocês tiraram as informações do site Rainhas Trágicas?

    1. Tudor Brasil disse:

      Foi tirado de um site de pesquisas genealógicas no qual não posso divulgar o nome. As informações históricas foram retiradas do livro ”Sophia of Hanover: From Winter Princess to Heiress of Great Britain”, de J.N. Duggan e as sobre a princesa Anastásia, do site Rainhas Trágicas, correto.

  3. Por que só citaram Anastásia como descendente Tudor e não todos os outros filhos de Alexandra, visto que todos eram descendentes, também ?

    1. Tudor Brasil disse:

      Olá, Cláudia.
      O artigo em questão é centrado em Anastásia, pois conforme mencionamos nele, ela é um dos membros mais famosos da família devido as representações midiáticas sobre sua figura.
      Mas nos referimos a todos os irmãos como sendo descendentes logo no parágrafo inicial, no seguinte trecho: “O que poucos sabem, é que Anastásia, juntamente com seus irmãos, descendia por via materna, da Dinastia Tudor.”

Deixe uma resposta para Sandra Coelho Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s