Catarina Howard: A rosa sem espinhos – Parte I

Katherine-Howard-queen-katherine-howard-33113122-1175-1200Para quem estiver interessado em ler uma biografia mais breve sobre a vida de Catarina Howard, a quinta esposa de Henrique VIII, indicamos nosso artigo anterior. Neste artigo, iremos focar mais profundamente na vida da jovem rosa sem espinhos Howard.

Origem:
Filha de Edmund Howard, terceiro filho varão do segundo Duque de Norfolk, Thomas Howard e sua esposa, Joyce Culpepper. Segundo acreditam, Lord Edmund era perdulário, preguiçoso e bastante incapaz, sem necessidade, devido seu nascimento aristocrático, de fazer esforços que correspondiam aos de posição inferior. Lutou em Flodden, mas sem muito êxito. Foi nomeado cavaleiro em 1515. 

Lord Edmund poderia ter triunfado na Corte de Henrique VIII por inúmeros motivos, seu status, por ser filho do Duque de Norfolk e por ter tido quase a mesma idade do Rei, poderia inclusive, ter sido convertido em um dos favoritos do Rei, que o acompanharia em caças e Justas; mas por fatores desconhecidos, ele não caiu nas graças do monarca Tudor. Parecia que o ambiente conspirava para frustrar seus planos, passando então, a maior parte de sua vida na obscuridade. Empobrecido e cheio de dívidas, escondia-se de seus superiores. Sentia-se sem amigos e que o mundo dava-lhe as costas.

Talvez tenha sido demasiadamente orgulhoso e vangloriado-se excessivamente de sua posição. Educado na arte da guerra, entre outros assuntos, carecia da astúcia e inteligência necessárias para desenvolver-se na Corte. Obteve breve sorte, oriunda de pessoas que caíram nas graças Reais, comparecendo à Corte em festividades especiais, como as Justas em honra ao Príncipe de Gales, filho de Henrique e Catarina, em 1511 (o menino faleceu, 52 dias após seu nascimento). Como dado curioso, acreditavam que padecia de pedras nos rins. Em abril de 1531, ofereceram-lhe o posto de controlador de Calais (lê-se Calé). Em agosto de 1537, foi eleito prefeito pela assembléia de Calais, mas Henrique não permitiu que exercesse tal função. Pouco antes de sua morte em 1539, removeram-no de sua posição como controlador de Calais.
Lord Edmund casou-se três vezes. Todas as suas esposas, eram viúvas. Seu primeiro matrimonio, foi com a mãe de Catarina, Joyce Culpepper, em meados de 1515 (o primeiro marido de Joyce chamava-se Ralph Legh); em seu segundo matrimonio, desposou Dorothy Troyes e por último, uniu-se a Margaret Jennings. Catarina tinha 3 irmãos mais velhos, George, Charles e Margaret. Sabe-se que o pai de Catarina, tinha 10 filhos, no entanto, desconhecemos quais eram do matrimônio de Joyce com seu primeiro marido, Ralph Legh (ou seja, que ele adotou) e quais haviam sido gerados por ele. Infelizmente para Lord Edmund, ele morreu meses antes que sua filha conseguisse o afeto do monarca.

Data de nascimento e infância:
Quase nada sabe-se sobre a infância de Catarina Howard, os historiadores, até mesmo especulam sobre sua data e local de nascimento. Sinceramente, sabemos muito pouco sobre o ambiente em que passou sua infância. Na realidade, se não tivesse tornado-se Rainha da Inglaterra, Catarina provavelmente, teria juntado-se a uma grande legião de homens e mulheres que viveram e morreram deixando suas pegadas apagadas na história, esquecidos pelo tempo. Catarina provavelmente tornou-se órfã de mãe, aos nove anos, e portanto, pode ter passado o final de sua infância em Oxenheath, na casa de seu tio materno.

A possível data de nascimento de Catarina, varia entre 1517-1524. Assim como sua prima Ana Bolena, não temos certeza de quando nasceu.

Segundo o historiador Lacey Baldwin Smith, existem várias pistas que podem nos ajudar a desvendar o enigma:

*O testamento de sua avó materna, Isabel Legh. Ela é mencionada em seu testamento, que data de 1527, sendo assim, ela definitivamente, nasceu antes deste ano.

*O testamento de John Legh, marido de Isabel e avô por casamento de Catarina. O documento é datado de 1524 e curiosamente, não a menciona. Alguns historiadores, vêem este dado, como uma prova inequívoca de que ela não nasceu até depois de 1524, no entanto, Baldwin Smith argumenta que não há nenhuma garota do clã Howard. Uma menina, não era considerada importante para figurar em um testamento.

*Os pais de Catarina casaram-se aproximadamente em 1514-15. Como havíamos mencionado, ela possuía 3 irmãos mais velhos, o que nos faz supor, que não pode ter nascido antes de 1517-1518. 

*Charles de Marillac, embaixador francês na Corte de Henrique VIII, informou que Catarina tinha 18 anos, quando deitou-se com Francis Dereham e que a confissão de Catarina, datava o affair entre 1538-1539. Se ela tinha 18 em 1539, então, seu ano de nascimento seria 1521.

*La Spanish Chronicle, nos informa que tinha 15 anos quando conheceu o Rei. Neste caso, a data de nascimento seria 1524.

A única informação cem por cento segura, é que Edmund Howard, disse em 1527, que era pai de 10 filhos. Em suma, poderíamos dizer que manteve um romance com Henry Manox, quando tinha entre 11 e 15 anos e que morreu, entre os 17 e 21 anos.

Aparência:
Reconhecida e comprovadamente de Catarina, não temos nenhum retrato, apenas especulações.

Segundo o historiador David Starkey, existe uma miniatura de Holbein, que poderia ser dela. Podemos distingui-lo, graças as jóias que a dama no retrato usa. Tais joias, constam no inventário Real de jóias da coroa, e foram usadas por Jane Seymour no famoso retrato pintado por Holbein, podemos vê-los, abaixo:

portraitExiste também, um vitral na capela do Kings College, em Cambridge. Nele, Henrique é retratado como o Rei Salomão e Catarina Howard, como a Rainha de Sabá (abaixo). Catarina é a figura principal desta imagem, retratado olhando para cima, com um tipo de enfeite na cabeça (semelhante a uma cobra).

howardglass copyExiste também, o provavelmente mais famoso, suposto retrato de Catarina, por Hans Holbein (abaixo).
Segundo Antonia Fraser, durante muito tempo, rotulou-se de maneira equivocada tal retrato de Holbein. Haviam-no identificado como Catarina Howard, no entanto, ele provavelmente (segundo Fraser), represente Elizabeth Seymour, irmã da Rainha e terceira esposa de Henrique, Jane Seymour. O argumento mais utilizado para apoiar tal opinião, é que a mulher retratada em questão, traja vestes de luto, sendo que, antes de casar-se com Gregory Cromwell, Elizabeth era viúva, e Fraser inclusive, compara o queixo e nariz com os de Jane Seymour, anguloso (nariz) e levemente protuberante e retraído (queixo). No entanto, Starkey, discorda desta opinião, também alegando que as joias usadas pela dama no retrato, constavam no inventário de joias da Rainha, e apontando uma semelhança, entre a mulher da miniatura e a do retrato.

cath1Outro suposto retrato, ”O retrato de uma jovem dama”- 1540-1560 (abaixo). Acreditam que a dama no retrato, possa ter sido Catarina (embora não haja provas), assim como, pode ser um retrato de Margaret Douglas, sobrinha do Rei. Entretanto, é indiscutível a semelhança física entre as mulheres destes três retratos. A propósito, Margaret manteve um romance em 1540 com Charles Howard, irmão de Catarina. Por cometer uma grande ofensa contra o monarca, Margaret passou um tempo reclusa em exílio na Abadia de Sion, até ser liberta em 1541, Charles entretanto, refugiou-se na França, morrendo solteiro.

howard-4Outra obra de Holbein (abaixo), um esboço alegadamente de Catarina Howard.

howard12Os registros da aparência de Catarina, nos entregam que era de estatura pequena (assim como Catarina de Aragão), bem mais baixa que a altura padrão das mulheres da Corte. Henrique VIII, considerado um monarca alto, tinha trinta anos, e provavelmente, 30 centímetros a mais que sua rosa sem espinhos. Antonia Fraser, nos diz que o embaixador francês qualificava sua beleza como mediana (assim como Ana de Cleves), mas elogiava sua graça e doce semblante.

Catarina gostava, assim como sua prima, da moda francesa, e de vestidos com decote baixo e profundo, que expunham parte de seu colo e seios.

Ela, era provavelmente 20 anos mais jovem que Ana Bolena, 12 que Jane Seymour e 6 que Ana de Cleves. Era 4 ou 5 anos mais jovem que Ana Bolena e Jane Seymour, quando chamou a atenção do Rei.

Educação:
Muitos sugerem que era analfabeta, o que é um erro comum. Sabia ler e escrever (moderadamente), bordar, tocar e dançar, porém tudo, superficialmente.

Viviendo na mansão da Duquesa Agnes Howard (Tilney), viúva do segundo Duque de Norfolk:

Catarina foi levada para a casa da esposa de seu avô, em Chesworth, perto de Horsham e Lamberth. A mãe de Catarina já havia falecido (Catarina perdeu a mãe por volta dos 9 anos de idade). Era costume na época, que os filhos da nobreza, recebessem uma educação fora do ambiente familiar. Normalmente, eram mandados para casas de nobres de estirpe superior.

O inconveniente de Catarina, era que a casa de sua avó por casamento, carecia da sofisticação da Corte de Margarida da Austria, ou de Claude da França. Ela dividia o dormitório, com outras cinco garotas, no que hoje, seria conhecido como um internato de alta classe. Não foi um ambiente ruim, apenas permissivo. As garotas faziam o que todas as garotas habitualmente fazem em um dormitório: falar de affairs: flertes, a corte que eram submetidas, seus galanteios e encontros amorosos, velados de amores platônicos. Além do mais, durante a noite, uma série de cavalheiros infiltravam-se clandestinamente no dormitório das garotas. Era costume levar morangos e vinho, para o deleite de suas companheiras. Estas, tinham o cuidado de não deixar a porta destrancada. A Duquesa, aparentemente não importava-se com as atividades ”extracurriculares” de suas pupilas, enquanto elas, não fossem pegas no ato.

A Duquesa Agnes (segunda esposa de Thomas Howard, o segundo Duque de Norfolk), contemporânea de Margaret Pole, uma matriarca de mais de 60 anos, esteve presente em todos os acontecimentos importantes da Corte, dos últimos 40 anos. Sua casa abrigava mais de 100 pessoas e assemelhava-se ao que hoje em dia, seria denominado como, um internato de classe alta.

Tilney,Agnes(DNorfolk)01
Agnes Tilney.
O romance com Henry Mannox:
Ocorreu quando ela ainda vivia no campo, na casa da Duquesa Chesworth, perto de Horsham, em Sussex. Um aldeão, chamado Mannox, foi contratado para ensinar música em 1536. O jovem tentou seduzir a jovem de 15 anos, entre as aulas de cravo e alaúde, e alcançar seu objetivo, levá-la para cama. Ele não chegou a fazer sexo com ela, mas gostava de manter momentos íntimos e apaixonados, mesmo que sem coito.

Mannox seguiu Catarina à Londres, até a casa da Duquesa em Lambeth. Era claro, que um maestro de música, naquele período, não seria um partido idóneo para uma Howard.

O romance com Francis Dereham:
Foi um cavaleiro e pensionista na casa da Duquesa Lambeth. Foi dito que a relação foi muito mais séria. Há motivos de sobra, para supor que, ao contrário de sua relação com Mannox, esta consumou-se plenamente. Eles tinham o costume de chamarem-se de marido e esposa, cabe sugerir, que Catarina e Francis tinham na realidade, um pré-contrato mútuo, que havia reforçado-se por lá plena união sexual.

A casa de Lambeth, era uma fantástica residencia suburbana. Existiam diversos lugares onde os amantes podiam conduzir suas relações sem serem vistos. Segundo a confissão da Catarina, sua relação com Francis, durou 3 meses, entre o outono e o inverno de 1538, quando ela tinha 17 anos.

Temos provas que confirmam a seriedade do relacionamento:

*Quando Dereham foi tentar fazer fortuna na Irlanda, pediu a Catarina, que lhe custeasse com 100 libras.

*A própria Catarina, em confissão, foi bastante explícita descrevendo como se relacionava com ele.
“Francis Dereham, mediante persuasão, procurou-me para seus desejos depravados e conseguiu primeiro, deitar-se sobre minha cama com seu gibão e suas calças e finalmente, ficou nu, e usou-me de tal maneira, como um homem faz com sua esposa, muitas vezes, mas com que freqüência, não sei.”

*Mais pessoas dariam seus testemunhos, sobre o que ocorria a noite nos aposentos das garotas em Lambeth. Dereham e Waldegrave, um cavaleiro que atendia a Duquesa, encontraram uma maneira de visitar Catarina e outra garota, Joan Bulmer, secretamente durante a noite. Ambos dormiam na cama das garotas até o amanhecer e sobre o que acontecia, há relatos de como Catherine e Dereham “costumavam beijarem-se e unirem-se sobre o ventre, como dois passarinhos” e “gemendo e bufando de maneira” que se escutava no escuro, o que denotava sexo a quem os ouviam.

*Sabe-se também que trocavam presentes de amor, o que supões uma relação romântica.

*Mannox estava muito ciumento que Catarina havia voltado suas atenções a outro cavalheiro, e para vingar-se, enviou uma carta anônima para a Duquesa, advertindo-a do que ocorria. Deixou no banco da capela. Agnes descobriu Catarina abraçando Dereham e ficou bastante irritada. Atingiu literalmente à todos que estavam em sua vista, incluindo Joan Bulmer. 

*Embora Dereham fosse melhor partido que Mannox, ainda estava longe de ter o nobre nascimento dos Howard. Catarina ao distanciar-se de Francis, começou a perder o interesse por ele, em especial, quando ela mudou-se para mais perto da Corte, na casa de seu tio em Norfolk, e ainda mais, quando encontrou-se com o galante Thomas Culpeper, na câmara Privada do Rei.

CONTINUA…

FONTES:

Artigo escrito por Lady Caroline. Leia em espanhol: AQUI.
Conheça: Los Líos de la Corte!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s