Elizabeth Blount – A amante de Henrique VIII

Imagem
Ruta Gedmintas no papel de Bessie Blount na série The Tudors.

Elizabeth Blount, mais conhecida como Bessie Blount, era filha de Sir John Blount e Catherine Pershall. O pai de Elizabeth, Sir John Blount, era um fiel servo da Família Real Inglesa e acompanhou Henrique VIII à França em 1513, quando o Rei travou uma guerra contra Luís XII da França.

Pouco se sabe sobre os primeiros anos de Elizabeth Blount, com exceção de sua beleza e seu famoso caso com Henrique VIII. Não existe nenhum retrato conhecido de Bessie, apenas especulações. Quando jovem, ela foi para a corte de Henrique VIII como dama de companhia para sua primeira esposa, Catarina de Aragão. Bessie cantava e dançava muito bem, e por ser muito bonita, a jovem desde cedo chamou a atenção do Rei que tomou-a como amante durante 1514/1515. Esta relação perduraria por cerca de oito anos. Dizem que nas comemorações de natal de 1514 ela esteve presente junto com o Rei nas festividades, enquanto a rainha estava recuperando-se da perda de um bebê. Neste período Elizabeth e seu pai foram promovidos a atendentes pessoais dos aposentos do Rei.

Elizabeth não foi a primeira dama de companhia a ser amante de Henrique VIII. Sua amiga, Elizabeth Bryan recebeu um colar de diamantes, um casaco de vison e sua mãe £ 500 quando ela envolveu-se com o rei.

A data exata de seu envolvimento com o rei é incerta. Algumas fontes sugerem que Bessie teve de ser substituída em um baile de máscaras natalino em 1514, quando a rainha descobriu seu affair com o rei. Outros acreditam que a intimidade de Bessie com o Rei não começou muito antes de julho de 1515, quando foi concedido ao seu pai um adiantamento de dois anos de seu salário.

Em 1519, Elizabeth Blount engravidou do Rei e em meados de junho, Cardeal Wolsey encarregou-se de arrumar uma propriedade em Jericho Priory, Blackmore, Essex para que ela passasse sua gravidez longe de escândalos e da vista da Corte. O rei visitou Bessie e seu filho tantas vezes que quando ele se ausentava, a corte em tom de chacota dizia: ”O Rei foi para Jericó”. Em 1522, Elizabeth foi substituída no coração do Rei por outra amante, Maria Bolena, irmã de Ana Bolena.

O filho de Bessie e Henrique foi chamado de Henry Fitzroy ou Filho do rei, nome que fazia clara alusão à sua paternidade. Henrique tinha planos para seu único filho, porém eles não incluíam Bessie. Cardeal Wolsey então arranjou um casamento para Elizabeth com Gilbert Talboys. Ele era filho de Sir George Talboys, um descendente dos Condes de Angus e antigos Lords de Kyme. Gilbert foi nomeado cavaleiro em 1524, e em 1525, ele foi nomeado xerife de Lincolnshire. Desta união nasceram George, Robert e Elizabeth (que tornou-se Baronesa Talboys após a morte de seus irmãos).

Em 1525, Elizabeth e seu marido Gilbert foram obrigados a fixar residência em Lincolnshire, mudando-se para um castelo no sul de Kyme, construído pelo ancestral de seu marido Gilbert, Gilbert De Umfraville, conde de Angus, em meados do século XIV.

Após a morte de seu marido Gilbert, que havia tornado-se Barão Talboys e sido enterrado em um convento ao sul de Kyme, Elizabeth enfim retornou à corte. O irmão de Elizabeth George Blount, também acompanhou Bessie e seu filho Henrique rumo à corte. Eles foram acompanhados por Henry Howard, filho do Duque de Norfolk, que viria a tornar-se o melhor amigo e cunhado de Fitzroy, que se casaria com Mary Howard.

Neste momento, Ana Bolena substituiu sua irmã no coração do Rei. Henrique pensava seriamente em divorciar-se de Catarina após muitos abortos, natimortos, uma filha e nenhum herdeiro varão. Se Bessie esperava que agora pudesse voltar as graças do rei e eventualmente casar-se com ele, já que era mãe de seu único filho (isso foi certamente foi sugerido na corte), ela agora possuía uma séria oponente. Porém sua esperança não duraria, Henrique casou-se com Ana Bolena e Elizabeth então, retornou ao sul de Kymes.

Em 1534, Elizabeth decidiu que era hora de casar-se novamente. O escolhido foi Edward Fiennes – Lord Clinton, muito mais jovem que ela, com terras adjacentes às dela. Eles tiveram três filhas, Bridget (que casou-se com Robert Dymoke e mais tarde viveu no sul de Kyme), Catherine (que casou-se com Lord Borough de Gainsborough) e Margaret (que casou-se com Charles – Lord Willoughby de Parham).

Na corte Henrique VIII havia casado-se novamente após a execução de sua segunda esposa Ana Bolena condenada de adultério. Em Lincolnshire, onde Henrique Fitzroy e Bessie possuíam muita influência, a oposição ao rei estava se tornando organizada. A maior parte da riqueza de Lincolnshire estava nas mãos do clero, os grandes mosteiros eram os principais proprietários e empregadores. Agora as posses da igreja e finanças uma vez sacrossantas foram expostas ao escrutínio dos comissários do rei, que cuidavam de seus assuntos.

A igreja primeiro, depois, os outros. Os clérigos juntaram-se em reuniões de protesto por comerciantes, que viam seu sustento ameaçado. Eles não apenas perderiam seus lugar sagrado, como também seus empregos se os estabelecimentos da Igreja, tais como mosteiros e conventos fossem fechados e seus bens confiscados.

No sábado, dia 30 de setembro, alguns locais, sentindo-se ameaçados pela iminente chegada dos comissários, recolheram as chaves da igreja e entregaram a um sapateiro, Nicholas Melton para mantê-la em segurança. Ele tornou-se então o “Capitão Sapateiro”, o líder de uma rebelião contra o rei. Na segunda-feira 02 de outubro, os homens de Horncastle e East Rasen chegaram em Louth. Então uma grande multidão marchou para Caistor, onde os comissários do rei estavam prestes a tomar as propriedades da igreja. Lá juntaram-se então Sir Robert Dymoke seus filhos e amigos. Em Goltho, casa da sogra de Bessie, Lady Talboys, um grande grupo de homens armados chegou. Mais de 500 retentores armados do Sul de Kyme juntaram-se aos rebeldes, sob a liderança de Sir Thomas Percy, um parente da família Talboys e um número similar dirigido por Edward Dymoke.

Na mesma segunda-feira 2 de outubro, Edward, Lord Clinton saiu de casa à cavalo, com apenas um servo. Ele dirigiu-se primeiro para Sleaford para encontrar Lord Hussey. Hussey tinha sido camareiro da princesa Maria e sua esposa havia sido presa por continuar a referir-se a ela como ”Princesa Maria” e não ”Lady Maria”. Hussey havia conseguido o apoio do Sacro imperador romano (primo de Maria) e parecia um líder natural da rebelião contra o rei. Mas ele não era o líder. Clinton galopou para Nottingham, e em seguida para Lord Huntington em Ashby. Na sexta-feira, ele chegou ao conde de Shrewsbury em Hardwick Hall, em Derbyshire levando cartas de Cromwell. Enquanto isso, os rebeldes se juntaram a outros grupos de homens armados, e espalharam-se de Humber para Yorkshire. O membro do Parlamento de Lincoln, Thomas Moigne conheceu Robert Aske, que liderou a rebelião em Yorkshire (onde foi chamada de A Peregrinação da Graça).

A resposta de Henrique VIII para as queixas foram lidas na Catedral de Lincoln. O Rei nunca havia ouvido falar que os conselheiros e bispos de um Rei deviam ser nomeados pelo povo e muito menos pelos ” líderes de um dos condados mais brutais e bestiais no reino”. A rebelião foi derrubada seguida de muitas punições e execuções.

A revolta fracassou porque não havia ninguém que unisse a liderança a causa. Se Fitzroy ainda estivesse vivo, ele poderia ter estado lá com um exército pelo menos tão grande quanto os 5.000 homens do Duque de Suffolk. Como filho do rei e herdeiro do trono, ele teria fornecido uma alternativa para o seu pai agora muito impopular.

Bessie escapou ilesa graças à sua própria mãe, Catherine Blount, que era uma valiosa amiga e informante de Cromwell. Ela voltou para a corte como dama de companhia de Ana de Cleves, porém não por muito tempo. Devido a problemas de saúde, Bessie deixou o serviço real e retornou para sua casa onde morreu pouco tempo depois provavelmente de tuberculose. Seu marido Lord Clinton não perdeu tempo e substituiu-a por uma nova esposa, Ursula Stourton, que assumiu seu lugar na corte. Lord Clinton tomou o título de seu enteado morto.

Memorial de latão de Elizabeth Blount, amante de Henrique VIII, mãe de seu filho Henry Fitzroy, Duque de Richmond, e esposa de Edward Fiennes de Clinton, Conde de Lincoln.
Memorial de latão de Elizabeth Blount, amante de Henrique VIII, mãe de seu filho Henry Fitzroy, Duque de Richmond, e esposa de Edward Fiennes de Clinton, Conde de Lincoln.

FONTES:

Tudorplace: AQUI.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s