Mary Rose: Os segredos revelados do navio Tudor

Imagem
Mais  de 30 anos após ter sido resgatado do fundo do mar – e quase 500 anos desde que afundou – os segredos da capitânia de Henrique VIII estão sendo revelados ao público juntamente com os rostos de sua tripulação.

A poucos metros de onde foi construído a partir de 600 árvores de carvalho perto das docas navais de Portsmouth no ano 1510, o navio de guerra Tudor naufragado, agora está aberto para exibição.

Onde antes jazia um imponente navio Tudor construído para a guerra, agora encontra-se uma variedade de plataformas reconstruidas e pilares de madeira murchos devido as centenas de anos submersos no fundo do mar.

Próximo ao local, estão alguns dos homens que compartilharam um túmulo com o navio por centenas de anos, seus rostos foram reconstruidos e serão vistos pela primeira vez em séculos.

Vistos através de janelas separadas por três andares, os restos preservados do navio naufragado estão preservados junto com alguns de seus 19.000 artefatos recuperados das profundezas.

Imagem
A exposição será nos interiores mal iluminados do navio, e contará com sons e gemidos do mar para dar a sensação de como era estar a bordo de um navio Tudor do século XVI.

Os alojamentos da tripulação serão todos visíveis, e as linhas de canhões do convés principal estarão abertas e prontas para serem disparadas contra os navios inimigos.

É uma cápsula do tempo Tudor – apelidada de “A Pompéia da Grã-Bretanha” pelo historiador David Starkey – e seus guardiões, que mal podem esperar para apresentá-la.

”O que buscamos fazer aqui é um retrato fiel do navio, mostrando os artefatos que a ele pertenciam”, explica Nick Butterley, coordenador da exposição.

“Muitas coisas nesta galeria você pode olhar e imediatamente entender o que é. Essa é uma das reais belezas desta exposição, o quão realista e normal ela pode ser.”

Todo artefato mostrado aqui é uma peça original encontrada no navio naufragado. Alguns dos canhões ainda estavam saindo das portinholas, quando foram descobertos, em 1971.

O Mary Rose foi trazido do fundo do mar no estreito de Solent, em 1982 e tem estado em exibição antes, porém, é só agora que os objetos e a vida à bordo serão mostradas ao público.

Os cientistas forenses, mais habituados a trabalharem com vítimas de assassinatos, recriaram os rostos de sete dos cerca de 500 homens que morreram quando o navio afundou em 1545.

Imagem
Reconstrução facial dos 7 homens a bordo (Clique para ampliar).

O novo Museu Mary Rose tem se dedicado a estes homens, e é através deles que a história do navio agora está sendo contada.

Os curadores não possuem a lista de nomes da tripulação, apenas números. Apenas os nomes do vice-almirante, Sir George Carew, e o mestre, Roger Grenville, são conhecidos.

A arqueóloga marítima Alex Hildred fazia parte da equipe que escavou e trouxe o navio para terra firme, e desde então, procurou estudar as pessoas e seus comportamentos à bordo para descobrir mais sobre estes homens – com idades compreendidas entre 12 a 40 anos – encontrados a bordo.

“Você tem um belo vislumbre dos homens Tudor daquele tempo”, diz ela. “É uma população de vida saudável, eles foram muito bem alimentados uma vez que estavam no navio, porém, sabemos a partir da dieta que houve uma fome severa em 1520, pois alguns de seus ossos têm evidência de deficiência de vitamina A, como o raquitismo ou escorbuto, fato que ocorreu provavelmente quando eram crianças.

”Também possuíam inúmeras fraturas curadas – algo de se esperar em um navio de guerra. Uma série de narizes quebrados, feridas de flechas e artrite. Esses homens levantavam muito peso.”

Os restos humanos encontrados, serão exibidos em galerias na proa e popa do navio, juntamente com milhares de artefatos.

“Este é o lugar onde nós personalizamos a coleção, tentando mostrar que esses objetos pertenceram a pessoas reais que viveram e infelizmente, morreram a bordo do navio”, explica o arqueólogo marítimo Christopher Dobbs.

Imagem
Os homens a bordo e suas respectivas funções e lugares.

”Algo maravilhoso sobre a coleção Mary Rose é que encontramos uma série de baús no navio e eles nos dizem sobre cada uma dessas pessoas, pois contêm os objetos que pertenceram a eles.”

Ele diz que o baú do mestre carpinteiro, por exemplo, continha três pratos, uma caneca, um relógio solar, um livro e até mesmo um kit de gamão – indicando ser “uma pessoa muito rica”.

“No lado de fora da cabine do carpinteiro, também encontramos o esqueleto de um cão”, acrescenta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

“São nestes pequenos detalhes que conhecemos a vida Tudor, bem como as coisas óbvias, como armas e equipamentos, que realmente fazem a nossa exibição tão excepcional.”

Afundando:

Quando a Mary Rose foi construída, ela fazia parte de uma nova geração de navios caravelas modernos – com tábuas dispostas lado a lado – que contavam com portinholas com tampas, permitindo que as armas mais pesadas fossem transportadas.

O navio de guerra lutou sua primeira batalha em 1512 contra a França, depois que o rei Henrique VIII juntou a Liga Santa do Papa Júlio II contra os franceses no ano anterior. Ele enfrentaria muitas outras batalhas ao longo dos próximos 34 anos.

Mas a vida de Mary Rose como um navio da Marinha chegou a um abrupto fim em 19 de julho de 1545, quando afundou durante a Batalha no estreito Solent, mais uma vez em ataque à frota francesa.

Francis estava tentando invadir a Inglaterra com 30 mil soldados e mais de 220 navios – muito maiores do que os tão famosos navios da Armada espanhola 43 anos mais tarde.

Os ingleses possuíam cerca de 60 navios e 12 mil soldados, porém mesmo em aparente desvantagem, eles conseguiram lutar contra os franceses que eventualmente recuaram um dia após o naufrágio de Mary Rose.

De acordo com registros contemporâneos, apenas 35 homens sobreviveram ao desastre. Muitos poderiam ter sido presos nas redes dos navios, consequentemente se afogando.

Diz a lenda que Henrique VIII assistiu com horror do castelo Southsea a batalha, juntamente com a esposa do vice-almirante Sir George Carew.

Como o navio afundou, os gritos e gritos dos homens e meninos se afogando podiam ser ouvidos em terra firme. Dizem que a perda do navio afetou profundamente o rei.

Registros sobre o que ocorreu naquele dia diferem, porém, um sobrevivente afirmou que o navio havia acabado de disparar suas armas de um lado e estava voltando fogo para o outro quando o vento bateu em suas velas e mergulhou as portinholas abertas abaixo da água, que fez com que o navio afundasse.

Historiadores franceses afirmam que foram responsáveis pelo naufrágio de Mary Rose em batalha.

Pelos próximos 300 anos, o Mary Rose manteve-se intacto no fundo do mar.

Mesmo que inicialmente muitos itens do naufrágio tenham sido trazidos no início de 1836 pelos pioneiros mergulhadores John e Charles Deane, o local perdeu-se novamente por mais de 100 anos.

Ele foi finalmente localizado em 1971 e desde então, os mergulhadores fizeram 27.000 mergulhos para o local do naufrágio do lado de fora da entrada do porto de Portsmouth.

Um baú deixou arqueólogos particularmente animados quando descobriram que havia um compartimento secreto. Sr. Dobbs diz que pensou que poderia conter algo valioso que seu rico proprietário estaria tentando esconder.

“Foi como uma cápsula do tempo dentro de uma cápsula do tempo, dentro de uma cápsula do tempo”, explica o Sr. Dobbs. “Mas só havia um alfinete nele.”

“Talvez tenha sido usado para guardar alguns documentos importantes que não sobreviveram. Nós nunca saberemos.”

Mas há muito mais segredos que a equipe ainda está esperando para revelar, e o novo museu está sendo anunciado como um novo começo para a história de Rose Mary.

Muitos dos itens encontrados ainda não foram identificados, mas como os artefatos irão para exibição, os curadores esperam que eles sejam identificados por especialistas.

“Nós tivemos o bispo de Portsmouth aqui na semana passada e ele viu a capa de um livro e destacou que provavelmente era a capa da bíblia do navio”, acrescenta o Sr. Dobbs.

“Estamos aprendendo mais à medida que avançamos.”

FONTE:
BBC UK

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s