Amor cortês e o período Tudor

ImagemEsses dias lendo sobre o amor cortês, vi que nunca dediquei nenhum artigo sobre este assunto aqui na página. Então hoje saberemos o que é o amor cortês, quando ele surgiu e claro sua influência no período Tudor.

O que é o amor cortês?
Amor cortês foi um conceito de atitudes da Europa medieval, que consistia em mitos, etiquetas e atitudes para enaltecer o amor. Este conceito gerou influenciou na criação de inúmeros gêneros de literatura medieval, incluindo o próprio romance. Em sua essência, o amor cortês era uma experiência contraditória entre o desejo erótico e a realização espiritual, “um amor ao mesmo tempo ilícito e moralmente elevado, passional e auto-disciplinado, humilhante e exaltante, humano e transcendente.”

Surgimento:
Sua origem remonta à França mais especificamente em Aquitânia no século XII, espalhando-se assim, para outros países europeus. A arte do amor cortês foi praticada nas cortes inglesas de 1300 a 1500. Durante este período, os casamentos eram arranjados e tinham pouco a ver com amor. Acreditavam que um casamento bem-sucedido, era aquele que trazia vantagens materiais para ambas as famílias. Como o amor era claramente relacionado ao casamento a exigência para o romance poderia ser adquirida fora do casamento – desde que as regras relativas à castidade e fidelidade fossem rigorosamente respeitadas.

Regras do amor cortês:
A violência e as guerras da Idade Média foram temperadas pelas regras do amor cortês. As seguintes regras e elementos do amor cortês durante a Idade Média foram escritas no século XII pelo francês, Andreas Capellanus:

*O casamento não é uma verdadeira desculpa para não amar.
*Aquele que não é ciumento, não pode amar.
*Ninguém pode ser obrigado a um duplo amor.
*Todos sabem que o amor está sempre aumentando ou diminuindo.
*Um amante que está contra a vontade de sua amada não tem prazer.
*Os meninos não amam até que cheguem à maturidade.
*Quando um amante morre, é exigida a viuvez de dois anos para o que sobreviveu.
*Ninguém deve ser privado do amor sem um bom motivo.
*Ninguém pode amar a menos que seja impelido pela persuasão de amor.
*O amor é sempre um estranho na casa da avareza.
*Não é adequado amar uma mulher que seja uma vergonha para se casar.
*Um verdadeiro amante não deseja envolver ninguém em seu amor, exceto sua amada.
*Quando fizermos amor em público ele raramente irá resistir.
*A obtenção fácil do amor torna-o de pouco valor; a dificuldade da realização faz com que ele seja valorizado.

*Todo amante empalidece na presença de sua amada.
*Quando um amante avista sua amada de repente, seu coração palpita.
*Um novo amor põe em fuga um velho.

* Um bom caráter faz com que qualquer homem seja digno de amor.
*Se o amor diminui, rapidamente falha e raramente revive.
*Um homem apaixonado é sempre apreensivo.
*O verdadeiro ciúme sempre aumenta o sentimento de amor.
*O ciúme, e portanto o amor, são aumentados quando se suspeita de sua amada.
*Aquele a quem o pensamento angustia-se de amor, come e dorme muito pouco.
*Todo ato de um amante termina no pensamento de sua amada.
*Um verdadeiro amante considera apenas o que irá agradar sua amada.
*O amor pode negar nada amar.

*Um amante nunca pode ter um número suficiente de carícias de sua amada.
*Uma ligeira presunção faz com que o amante suspeite de sua amada.
*Um homem irritado com muita paixão geralmente não ama.
*Um verdadeiro amante pensa sempre e constantemente em sua amada.
*Nada proíbe que uma mulher seja amada por dois homens ou um homem por duas mulheres.

As regras do amor cortês representadas acima, demonstram como estas regras podem levar a todo tipo de problemas dentro da corte.

Período Tudor:
Eric Ives descreve o amor cortês como ”um elemento integrante do cavalheirismo, o conjunto de atitudes e instituições fundamentais para a vida da corte e elite Tudor”, “uma defesa contra o tédio e o vício” e forma de “restringir as relações de gênero dentro uma aceita convenção”. Ele continua dizendo:
“As ficções do amor cortês, foram baseadas no mesmo ideal que depôs homens para participarem à serviço do rei. O cortesão, o “cavaleiro perfeito”, supostamente elevariam suas relações com as damas da corte, escolhendo a “senhora” e servindo-a exclusiva e fielmente. Ele fazia parte de seu círculo, a cortejava com poemas, canções e presentes, e se ela fosse gentil o suficiente para reconhecer tal vínculo, ele poderia usar a seu favor e participar de uma justa em sua honra. Ele poderia ter uma esposa em casa, mas essa era uma vida separada. Em troca, a pretendente deve olhar para apenas uma coisa, “bondade” – compreensão e amizade platônica … Para os olhos condicionados do vigésimo primeiro século, as relações entre homens e mulheres sexualmente ativos é algo normal, tal convenção parece repressiva, mas funcionava bem o suficiente para regular as relações de gênero aceitável. “

Shakespeare também mostra o amor cortês em um de seus principais trabalhos, Romeu e Julieta. Com sentimentos platônicos e exagerados, Romeu tem uma compreensão das convenções do amor cortês, mas é muito jovem e inexperiente para demonstrar um sentimento sincero. Só após conhecer Julieta ele exibir a habilidade e imaginação de um “poeta” genuinamente apaixonado.

Fontes:
Wikipedia: Amor Cortês.
Life and death of Anne Boleyn – Ives, Eric.
Middle Ages: Courtly Loves.
Richeast.org.

31days_anne_of_a_thousand_days

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. enidesantos disse:

    Uma adorável leitura,obrigada!!

    1. tudorbrasil disse:

      Obrigada eu pela visita, seja bem vinda Enide!=)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s