Cardeal Thomas Wolsey

Imagem
Thomas Wolsey nasceu em Ipswich, Suffolk , por volta de 1473. Ele era filho de Robert Wulcy, um açougueiro, estalajeiro e comerciante e sua esposa Joan Daundy. Wolsey estudou em Magdalen College em Oxford e recebeu seu bacharelado em 1488. Em 10 de Março de 1498 ele tornou-se sacerdote e em Outubro de 1500 foi apresentado a reitoria de Limington em Somerset pelo Marquês de Dorset. Não é claro se Wolsey foi residente lá, tornando-se mestre e decano em teologia em Magdalen College em 1500-01. Wolsey tornou-se capelão de Henry Dean, Arcebispo de Canterbury em 1501, até a morte de Dean em 1503. Pelos próximos 4 anos Wolsey serviu como capelão para Sir Richard Nanfan, governador de Calais, responsável por introduzi-lo a corte de Henrique VII. Após a morte de Nanfan em 1507, Wolsey foi nomeado capelão de Henrique VII. O rei empregou Wolsey em funções administrativas e diplomáticas, incluindo viagens para Flanders e Escócia.

Em fevereiro de 1509, Wolsey foi nomeado decano e Hospitaleiro Real em Lincoln após a morte de Henrique VII e adesão de Henrique VIII ao trono. Em 1510, Wolsey, bem favorecido pelo jovem rei, foi nomeado secretário da Ordem da Jarreteira, como o jovem Rei preferia os esportes à polítca, confiou cada vez mais poder em Wolsey, seguindo seus conselhos sobre assuntos de estado.

Em 1511, Wolsey convenceu Henrique, que nutria abertamente sentimentos anti-franceses, a juntar o Papa Julius II, o rei Fernando II de Aragão (sogro de Henrique), o Sacro Imperador Romano Maximiliano I, os cantões suíços, e os venezianos na Santa liga contra a França. Em novembro de 1511, Henrique e Fernando assinaram o tratado de Westminster, prometendo ajuda mútua contra a França, seu inimigo em comum. Henrique enviou Lord Dorset com um exército para a França em 1512, porém a campanha terminou em um “fracasso inglório” . A Rainha e Wolsey conseguiram persuadir o Rei a montar uma segunda ofensiva em 1513, liderada por ele mesmo. Ao descobrirem que Henrique pretendia depor Luís XII e ser coroado rei da França, a presença de Henrique na França passou a tornar-se indesejável para Fernando e Maximiliano. Eles então fizeram um tratado secreto com Luís XII para que Henrique ganhasse algumas pequenas batalhas antes do inverno e retornasse com seus soldados para a Inglaterra. Wolsey incentivou Henrique a atacar Boulogne a fim de fortalecer a área em torno de Calais, e o Sacro Imperador romano Maximiliano atraiu Henrique para atacar Tournai. Em 16 de agosto, 1513 o exército Inglês conquistou os franceses em Thérouanne, no que veio a ser conhecido como a Batalha de Spurs.

Enquanto Wolsey estava na França com o Rei, ele recebeu a notícia da Rainha que os escoceses estavam planejando uma invasão à Inglaterra, liderada pelo rei James IV, cunhado de Henrique. Em 9 de setembro de 1513, a força inglesa, liderada pelo Conde de Surrey venceu os escoceses na batalha de Flodden. Foi um dos confrontos mais sangrentos que a Grã-Bretanha já vira, resultando em mais de dez mil mortos, entre eles James IV da Escócia. Como o inverno se aproximava, Henrique e sua tropa voltaram para a Inglaterra. Os aliados concordaram em uma invasão conjunta à França em 1514 e sobre o casamento de Maria Tudor, irmã de Henrique com Carlos de Castela na primavera. A Liga Santa no entanto, se desfez com a morte do Papa Julius II em 1513.

Aos poucos, Wolsey estava se tornando o verdadeiro poder por trás do trono, sem nunca deixar o Rei perceber quem realmente estava no comando do país. Em fevereiro de 1513, ele foi nomeado decano de York e Henrique havia concedido inúmeros favores a ele. A rainha, no entanto, não teve a mesma sorte, Henrique havia percebido que Maximiliano e Fernando haviam lhe enganado e não possuíam mais a intenção de travar uma guerra contra a França. O Conselho de Flandres também recusou-se a aceitar a proposta de casamento entre a princesa Maria e o Arqueduque Carlos, fazendo com que o rei ficasse gravemente insultado.  O desagrado do rei por fim, caiu sobre sua esposa, a rainha, Catarina de Aragão, que muitas vezes aconselhou o rei a ouvir os conselhos de seu sogro Fernando. Wolsey aconselhou Henrique a formar uma aliança de paz com a França, que foi assinada em agosto de 1514, e Luís XII concordou em aumentar a pensão que os franceses estavam pagando em reparações. Em outubro do mesmo ano, Henrique casou sua irmã, Maria Tudor com o rei da França. Este casamento não agradou a rainha, que viu notou a crescente influência de Wolsey e sabia que isso seria prejudicial tanto para os seus interesses, como para o da Espanha. Wolsey foi ganhando mais força ao ter sido nomeado bispo de Lincoln em 1514 e arcebispo de York, em setembro do mesmo ano. Infelizmente, Luís XII morreu apenas três meses após o casamento, no início de 1515.

Em 1514, um curioso caso legal de um tal de Richard Hume levou ao que constituiria o primeiro erro de Wolsey com o rei. Richard Hume era um comerciante de Londres, que havia perdido seu filho recém-nascido. Quando ele foi com um padre ao enterro de seu filho, o padre pediu o pagamento das taxas mortuárias e roupas de batismo da criança morta. Indignado, Hume recusou-se a pagar. O padre então, processou Hume no tribunal eclesiástico, e ele rebateu acusando o sacerdote de Praemunire no Tribunal do Banco do Rei. Embora esses processos estivessem em andamento, Hume foi preso ao ser pego abrigando um herege, e logo após, foi encontrado enforcado em sua cela. Um júri legista foi chamado, e decidiu que ele havia sido assassinado. O Chanceler do bispo foi acusado do crime. O Ato de criminosos do clero, que afirmava que crimes do clero deviam ser julgados no Tribunal do Rei, ao invés de tribunais da igreja, havia expirado quando o Parlamento se reuniu em 1515. A Convocação da Igreja emitiu uma declaração dizendo: “O clero não deve ser julgado no tribunal do rei.” A Câmara dos Comuns então apelou para o rei e teve uma conferência com ele em Blackfriars. Um Doutor em teologia chamado Henry Standish, argumentou o caso contra o abade. A Igreja, em retaliação, acusou Standish de heresia, o forçando a apelar para o rei. Os juízes de direito comum em Blackfriars inocentaram Standish e foram contra a convocação, alegando crime clérigo. Na reunião do Parlamento, com o rei presente, Wolsey pediu desculpas para o clero, ficando de joelhos e pedindo que o caso fosse enviado a Roma. Henrique VIII recusou, afirmando que ninguém tinha o direito de governar sobre a sua decisão, apenas o próprio Deus.

Wolsey e Henrique VIII.
Wolsey e Henrique VIII.

 

Wolsey foi perdoado por esta infração e continuou em ascensão. Em setembro de 1515, ele foi nomeado Cardeal pelo Papa, e na véspera de Natal, de 1515 nomeado Lord Chanceller pelo rei. Ele agora apreciava não apenas uma alta posição da Igreja, como também a mais alta posição secular.

Enquanto isso na França, Luís XII foi sucedido pelo jovem e arrojado Francis I, algo que logo fez surgir uma rivalidade entre os dois jovens monarcas. Quando Francis conquistou Milão na batalha de Marignano em 1515, Wolsey concentrou-se novamente em uma aliança com Maximiliano e Fernando, porém a situação mudou drasticamente quando Fernando morreu em 1516. Ele foi sucedido por seu neto de16 anos de idade, Carlos V, filho de Juana (a louca) de Aragão e Filipe de Borgonha, filho de Maximiliano, imperador do Sacro Império Romano. Carlos governava não só a Espanha, mas também as Índias, Sicília, Nápoles, e Holanda. Foi vantajoso para ambos Francis e Carlos formarem uma aliança com a Inglaterra, e Wolsey aproveitou a oportunidade. Em 1518, ele negociou com sucesso o Tratado de Londres entre Carlos V, Maximiliano I, Francis I, e Henrique VIII. Em maio de 1518, Wolsey foi nomeado legatus a latere do Papa, passando a ser a figura religiosa mais poderosa na Inglaterra. Em julho de 1518 ele também foi nomeado Bispo de Bath e Wells, que lhe trouxe rendas adicionais.

No entanto, as relações pacíficas foram de curta duração, pois em 1519 Maximiliano morreu, resultando na cobiça de todos os três jovens reis ao cargo de imperador do Sacro Império Romano. Carlos V, foi a escolha natural, mas Francis e Henrique fizeram uma forte campanha pelo título, chegando até a subornar os eleitores. Aos 19 anos, Carlos V tornou-se o imperador do Sacro Império Romano, passando a governar a Alemanha, a Áustria, os Países Baixos, partes da Itália, assim como a Espanha. Quando em 1526 a Hungria também veio sob o seu poder ele governou metade da Europa. Wolsey viu a oportunidade de se beneficiar da rivalidade antiga entre as casas de Habsburgo (Carlos) e Valois (Francis) e iniciou negociações com ambos.

Em fevereiro de 1520, Wolsey concordou em reunir Francis com Henrique em maio no castelo do rei em Guisnes, Calais. O cardeal ficou a cargo dos arranjos para esta reunião, que viria a se tornar “uma das reuniões mais caras já encenadas na história, o Campo do tecido de ouro.” Carlos V, também ávido para nutrir uma amizade com a corte inglesa, chegou para uma visita de estado em Maio de 1520. Esta foi a primeira vez que a rainha conheceu seu sobrinho. Carlos queria convencer Henrique a não se encontrar com Francis, porém Henrique insistiu que deveria, e marcou um encontro com O sacro imperador em Flandres depois. O Campo do Pano de Ouro ocorreu no dia 7 de junho de 1520, e continuou por três semanas de festividades, cada monarca tentando superar o esplendor do outro. Henrique e Francis assinaram um tratado de amizade, mas como o embaixador veneziano observou, “estes soberanos não estão em paz. Eles se odeiam cordialmente.” Em julho, a corte inglesa organizou um banquete para Carlos V em Calais, deixando Francis furioso.

clothgold
No dia 14 de julho de 1520 outra reviravolta ocorreu, Henrique assinou um tratado com Carlos em que ambas as partes concordaram em não fazer quaisquer novas alianças com a França pelos próximos dois anos. Wolsey disposto a romper o noivado da princesa Maria com o Dauphin francês, propôs que Carlos se casasse com ela, para a grande alegria de Catarina. Em novembro, foi concedido a Wolsey a abadia de St. Albans. Quando o Papa Leão X morreu em 1521, Wolsey esperou que Carlos influenciasse o voto para o papado à favor dele. Em vez disso, Carlos fez com que os cardeais elegessem seu antigo tutor, Adrian, deixando Wolsey frustrado. Em maio de 1522, Carlos chegou à Inglaterra para a cerimônia de noivado, e três dias depois, a Inglaterra declarou guerra à França. Foi então decidido que a Inglaterra iria para a guerra com a França em 1523. Carlos deixou a Inglaterra e também declarou guerra à França.

Em 1523, Henrique pediu ao parlamento uma concessão de £ 800.000 para ir à guerra com a França. A Câmara dos Comuns recusou, e Sir Thomas More, que foi o orador na época, concordou que a Câmara deveria dar um subsídio de £ 100.000 por ano durante os próximos quatro anos. Isso não foi suficiente para a guerra, portanto Henrique teve que esperar. Carlos V achou que a Inglaterra havia renegado sua promessa, piorando a situação. As relações entre Carlos e Wolsey deterioraram-se ainda mais quando o Papa Adriano VI morreu em 1523, e as ambições de Wolsey a ser eleito Papa foram novamente frustradas. Carlos fez os cardeais escolherem Clemente VII, um Medici. Até agora Wolsey só havia se enganado. Sobre a eleição do Papa Clemente, Wolsey escreveu: “De minha parte, como Deus pode ver, estou mais alegre do que se tivesse eu mesmo sido eleito.”  O novo Papa deu a Wolsey o bispado de Durham, em troca de Bath e Wells, e Wolsey ainda segurava o arcebispado de York.

Em fevereiro de 1525, Carlos foi vitorioso na batalha de Pavia, na Itália, onde o Rei Francis foi feito prisioneiro. Henrique queria tirar proveito da queda da França e fazer outra guerra. Como as finanças ainda eram um problema, Wolsey tentou forçar um “Empréstimo Amigável” da nobreza. Isso causou tanta indignação com a nobreza que já se ressentia com o poder de Wolsey, que Henrique teve de intervir e pedir desculpas em seu nome. Este foi o segundo erro de Wolsey.

Carlos V era agora um perigo para toda a Europa, e Wolsey começou a fazer aberturas para a França novamente. Quando Carlos anunciou, em agosto de 1525, que ele considerava seu noivado com a princesa Maria nulo (pois havia encontrado uma noiva rica, Isabela de Portugal), Henrique desistiu do noivado e assinou um novo tratado com a França. No verão de 1526, Francis ofereceu-se como marido para a princesa Maria. Tanto Wolsey como Henrique ficaram entusiasmados. O tratado de casamento, tanto para Francis ou o seu segundo filho para se casar com Maria, foi selado maio 1527. O próprio Francis logo se envolveu com Eleanor, irmã de Carlos V, e assim, Henrique, duque de Orléans, tornou-se noivo de Maria.

A celebração foi de curta duração. Em 06 de maio de 1527, as tropas descontentes do Imperador saquearam a cidade de Roma, e obrigaram o papa a se refugiar em Castel Santangelo, Carlos V agora detinha o Papa em seu poder. Com a nova cimentação dos laços com a França, Henrique sentiu que não precisava mais da boa vontade da Espanha. O rei estava ansioso para livrar-se de uma rainha espanhola, que havia entrado na menopausa e nunca lhe dado um herdeiro do sexo masculino, porém, acima de tudo, ele estava ansioso para se casar novamente. Ana Bolena, foi o grande dilema do rei, e selaria o destino final de Wolsey.

O rei confiou em Wolsey para ajudá-lo a conseguir a anulação de seu primeiro casamento. Wolsey insistiu para o rei evitar tal ação, porém ele foi inflexível. Henrique alegou há muito tempo, ter dúvdas da validade de seu casamento com a viúva de seu irmão morto, citando uma passagem bíblica (a partir de Levítico 20) que condena tal casamento declarando-o imundo, e que Deus retribuiria não lhes dando filhos. Como legado papal, Wolsey convocou um tribunal eclesiástico secreto em 17 de maio de 1527, e o Rei declarou ter dúvidas e pediu uma abertura para o julgamento do caso. O tribunal foi convocado mais duas vezes, e em 31 de Maio declararam que não estavam qualificados para julgar um caso tão difícil.

O Conselho Privado do Rei recomendou levar o assunto ao Papa, para que ele decidisse à respeito da anulação. Wolsey sugeriu que ele fosse enviado à França a fim de convencer o Rei Francis a usar sua influência para convencer o Papa a estender a autoridade de Wolsey, para que ele pudesse julgar o caso. Ele partiu para a França, em julho. Enquanto Wolsey estava fora do país, a facção Bolena trabalhou duro para minar a autoridade do cardeal com o rei, alegando que Wolsey estava realmente trabalhando duro para evitar a anulação. Wolsey retornou da França em setembro, não tendo conseguido assegurar o apoio de Francis, a esta altura, o rei já estava duvidando de sua lealdade.

Infelizmente, o Papa era agora prisioneiro do Sacro Imperador Romano, Carlos V, sobrinho da Rainha. Catarina passou a enviar pedidos a seu sobrinho a fim de proteger seu casamento. Carlos V disse ao Papa Clemente VII, que estava “determinado a preservar os direitos da Rainha e o proibia de anular o casamento ou deixar o caso ser julgado na Inglaterra”. Assim, quando Wolsey e os respectivos embaixadores de Henrique o visitaram, Clement cordialmente recusou-se a conceder uma dispensa para a anulação. Wolsey, que estava ciente do crescente descontentamento e desconfiança do Rei com ele, estava fazendo tudo em seu poder para obter uma reconsideração do Papa. Em uma carta, ele escreveu: “Se o Papa não for compatível, minha vida será encurtada, e não tenho coragem de antecipar as consequências.”

Em janeiro de 1528, a Inglaterra e a França declararam guerra ao Imperador. Henrique enviou a Roma Edward Fox, doutor em teologia, e Stephen Gardiner, doutor em direito civil e da igreja, para influenciar o Papa a conceder o poder a Wolsey de decidir sobre o caso de Henrique. Eventualmente, em abril, Clement concordou em enviar para a Inglaterra o cardeal Campeggio, para julgar o caso com Wolsey, mas recusou-se a conceder o poder de pronunciar a sentença a alguem. Foi um começo, mas não foi o suficiente. O rei estava ficando impaciente. O que agravou ainda mais a situação foi um surto da doença do suor em junho, Ana então, foi mandada embora de Londres para fugir da peste. Wolsey, tendo isso como um sinal da ira de Deus no processo, escreveu a Henrique pedindo-lhe para desistir do processo de anulação. Henrique indignado, disse ter exclamou que daria “um milhão de Wolseys por uma Ana Bolena.” O fim de Wolsey estava próximo.

Cardeal Campeggio chegou à Inglaterra no final de setembro de 1528. O processo começou no dia 22 de outubro, com Campeggio irritando o rei, sugerindo que ele reconcilia-se com a rainha. Para apaziguar o Rei, Campeggio mostrou uma bula decretal autorizando-o a pronunciar-se sobre o caso. O rei continuou empurrando Wolsey para obter a bula de Campeggio, mas Wolsey não foi bem sucedido. Para piorar a situação, Ana Bolena passou a difamar Wolsey para Henrique, trabalhando duro para convencê-lo de que Wolsey não estava sinceramente tentando avançar a anulação. Apesar dos protestos de Wolsey no contrário, o rei não acreditaria nele, forçando-o a pleitear com Francis I a exortar o Papa para conceder o divórcio. Devido à doença do Papa no início de 1529, o tribunal não foi convocado até 20 de Maio de 1529. Nesse meio tempo, Wolsey havia feito o seu melhor para obter a bula decretal de Campeggio, mas, finalmente, em junho, o Papa havia proibido o seu uso. Em julho, Clement, devido à pressão de Carlos V, revogou a comissão para Campeggio e Wolsey, e o tribunal foi formalmente fechado. Ana estava lívida, e culpou Wolsey.

Em outubro de 1529, Wolsey foi oficialmente destituído do cargo de Lord Chanceller, e foi obrigado a devolver o Grande Selo. Tentando desesperadamente evitar a acusação, Wolsey deu ao Rei maior parte de suas propriedades, incluindo York Place e Hampton Court, se retirando para uma modesta casa em Esher, Surrey. York Place seria reformado e rebatizado como Whitehall, para ser dado a Ana Bolena. Em novembro Wolsey implorou ao rei por misericórdia, e Henrique, aplacado, colocou Wolsey sob sua proteção pessoal. Logo após o Natal, Wolsey caiu doente e acreditaram que iria morrer. O rei enviou-lhe uma mensagem dizendo que ele “não iria perdê-lo por £ 20.000”, e a saúde do cardeal melhorou.

wolseyhenryanne2

Ana no entanto, não havia terminado com Wolsey. Ela ficou furiosa quando em 12 de fevereiro de 1530, o rei perdoou Wolsey formalmente e confirmou seu arcebispado de York. Ana começou a chorar pelo sangue de Wolsey. Ele nunca havia apoiado em particular o desejo do rei de obter uma anulação. Percebendo que seu único caminho de volta ao poder seria se a Rainha fosse mantida e Ana eliminada, Wolsey escreveu ao Papa para que o assunto fosse resolvido com mais velocidade.

Ana não estava esperando de braços cruzados. Ela havia subornado o médico de Wolsey para acusá-lo falsamente de exortar o Papa a excomungar Henrique e tomar o trono Inglês a si mesmo. Wolsey também havia escrito para Francis e Carlos para pedir que intercedessem junto ao rei em seu nome, e isso também foi usado contra ele como prova de traição. O cardeal foi preso sob a acusação de alta traição, em novembro. A viajem de Cawood, Yorkshire, para a Torre de Londres foi demais para Wolsey que adoeceu no caminho e morreu na Abadia de Leicester. Afirmam que ele disse em seu leito de morte: “Se eu tivesse servido a Deus tão diligentemente quanto eu fiz com o Rei, ele não teria me entregue em meus cabelos brancos”.

Fontes:
Illuminarium: AQUI.

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s