Palácio de Hampton Court (Parte II) – História

Imagem

Como falamos no artigo anterior ”Palácio de Hampton Court (Parte I)”, neste artigo vamos contar um pouco sobre a história do palácio até os dias de hoje…Para entender melhor, não deixe de ler a primeira parte!

A tomada:

Tropas parlamentares tomaram o palácio em 1645. Eles começaram a fazer um inventário das posses reais antes de colocá-las à venda. Motivados pelo puritanismo radical que procurou tirar da Igreja seus adornos frívolos, eles também removeram todos os acessórios finos da Capela Real.

Quando Oliver Cromwell tornou-se Lord Protetor, ele reservou o palácio e alguns de seus principais tesouros para uso próprio.

Cromwell passava fins de semana em Hampton Court, muitas vezes trabalhando, mas também caçando e desfrutando de músicas e cerimônias. Sua filha Maria, casou-se na Capela Real.


 A restauração:

Em 1660 a monarquia foi restaurada e Charles II ascendeu ao trono. Ele preferiu o Castelo de Windsor a Hampton Court, mas às vezes ia assistir às reuniões do conselho Real.

Ele construiu um conjunto de alojamentos no canto sul-leste do palácio para uma de suas amantes, Barbara Villiers, Condessa de Castlemaine e seus filhos ilegítimos.

Estas novas salas eram totalmente diferentes da arquitetura Tudor da época de Henrique VIII e anunciava uma mudança de estilo que seria favorecida por William III e Maria II.

William III e Maria II:

William e Maria
William III e Maria IIWilliam III e Maria II:

Logo após sua ascensão ao trono Inglês, Rei William III e a Rainha Maria II chamaram Sir Christopher Wren para reconstruir Hampton Court.

William havia gostado do terreno agradável de Hampton Court, mas achou que seria necessário substituir os edifícios. Por não se importar com Whitehall Palace, ele decidiu seguir adiante com os trabalhos de melhorias.

O plano inicial de Wren era demolir o Palácio todo (que pecado!), exceto o Salão Principal, porém não havia tempo e nem dinheiro (ufa!) disponíveis para tal empreendimento. Wren teve de se contentar com a reconstrução do rei e os apartamentos principais rainha dos lados sul e leste do palácio, no local dos antigos alojamentos Tudor. O trabalho começou em maio de 1689 e £ 113.000 foram gastas com os novos apartamentos. Maria não viveria para desfrutar de seus aposentos, pois ela morreu em 1694, fazendo com que William pausasse a reforma.

Nenhuma construção foi realizada até 1697. Como o Palácio de Whitehall, foi incendiado em 1698, William intensificou seus esforços para terminar Hampton Court. Só que agora ao invés de Wren, William Talman, que ofereceu preços mais baixos, é quem iria terminar o novo apartamento novo de William.

Wren e Talman transformaram completamente as fachadas leste e sul de Hampton Court, substituindo torres e chaminés Tudor por um elegante exterior barroco que domina os jardins formais até hoje. Ao lado de fora, os jardins também foram totalmente repaginados. Eles estavam cheios de novas plantas, incluindo a própria coleção de plantas exóticas da Rainha Maria trazidas de todos os cantos do mundo.

Ironicamente William não viveu para desfrutar de seu novo palácio.

Século XVIII:

Anne_StuartPara a Rainha Ana, assim como para seus antecessores, o principal atrativo de Hampton Court era a caça.

Além dos novos jardins formais, Home Park e Bushy Park forneciam um cenário campestre excelente e os veados mantidos, descendiam do rebanho criado por Henrique VIII. Apesar de sua idade e saúde prejudicada, Ana continuou caçando em uma cadeira de rodas.

Quando se hospedava em Hampton Court, Ana, como monarca reinante, gostava dos dos recém concluídos Apartamentos do Rei.
Mas Ana preferiu o Castelo de Windsor e o outro novo Palácio de William e Mary em Kensington e consequentemente, os trabalhos inacabados no Apartamento da Rainha em Hampton Court (para o uso de seu consorte, o príncipe George) avançaram lentamente.

Ana teve tempo para apresentar alguns surpreendentes quadros novos, mostrando um George semi-nu divertindo-se com criaturas do mar na Sala de desenho da Rainha, mas George morreu em 1708, e o trabalho novamente ficou parado.

NPG D11633,King George I when Elector of Hanover,by and published by; after John Smith; Johann Leonhard Hirschmann

Hanovers:

A morte da Rainha Ana em 1714, marcou o fim da dinastia Stuart e a chegada dos Hanovers. O novo rei, George I, era um homem tímido, que não gostava de cerimônia. Ele não falava Inglês, e passava muito tempo em sua nativa Hanover (na Alemanha) e nunca trouxe sua rainha para a Inglaterra.

O resultado foi um declínio geral nas armadilhas da realeza e no desenvolvimento de palácios reais. No entanto, a falta de interesse do rei em Hampton Court foi mais do que compensada pelo príncipe e princesa de Gales (mais tarde George II e Rainha Caroline), que se encantaram com a exibição e magnificência de uma corte real.

Os apartamentos da Rainha foram finalmente concluídos para a utilização do príncipe e da princesa, sob a direção de Sir John Vanbrugh.

Vanbrugh completou o circuito formal de apartamentos reais e cumpriu a visão de William e Maria e Sir Christopher Wren. A suntuosa decoração dos marceneiros John Gumley e James Moore encheu os quartos sob um teto pintado por Sir James Thornhill.

A popularidade do príncipe com parte da corte e com o público, combinada com a ausência do Rei na vida pública, levou primeiro a rivalidade e finalmente a uma divisão. O príncipe foi banido dos palácios reais, após uma discussão com seu pai, em dezembro de 1717.

O rei então, decidiu melhorar a sua imagem e embarcou em uma rodada de entretenimentos na corte para restabelecer o equilíbrio entre ele e seu herdeiro.

Por um curto período, durante 1718, a corte de George I manteve-se em Hampton Court, incluindo peças teatrais, partidas na quadra de tênis, galeria de desenhos e Jantares. Mas ao se entender com seu filho, o Rei reverteu seus caminhos para se aposentar.

O Palácio de St. James tornou-se a residência oficial principal do monarca naquela época e o Castelo de Windsor permaneceu como a sua principal residência privada. Hampton Court Palace foi pouco utilizado por uma década, após 1718 e até a morte de George I em 1727.

O píncipe George e a princesa Carolina voltaram para Hampton Court logo após a adesão de George ao trono como George II.

Finalmente os apartamentos concluidos do Rei e da Rainha foram utilizados, e o toque final de seu embelezamento foi a conclusão da Escadaria da Rainha por William Kent.

Carolina também cobriu as imagens picantes do Triunfo de César no quarto de desenho da rainha.

O reinado de George II, também produziu os últimos quartos em Hampton Court construídos para qualquer membro da família real. Ele tinha alojamentos novos feitos no lado leste da Clock Court em 1732 para seu segundo filho, o duque de Cumberland. Estes quartos, hoje conhecidos como a Suite Cumberland, também foram projetados por William Kent e construídos a um custo de £ 3.454.

O ano de 1737, foi o último ano que a família real usou o palácio. Em julho daquele ano, Frederick, filho de George II, como afronta a seus pais, levou sua esposa – Augusta de Saxe-Gotha-Altenburg – para longe de Hampton Court  no meio da noite, onde ela deu à luz uma filha que viveu por pouco tempo.

A provocação de Frederik ao Rei e a Rainha levou à sua demissão do Palácio de St. James, em Londres. A Rainha Caroline morreu poucos meses após o episódio, e o Rei nunca visitou o palácio novamente com sua corte completa.

Presente:

George IIIA família real pode ter deixado Hampton Court, em 1737, mas o palácio e seus apartamentos logo encontraram uma outra finalidade.

Depois que George III decidiu não viver lá, houve um debate sobre o futuro dos milhares de quartos do palácio.

A partir da década de 1760, o palácio foi concedido para moradores (que haviam prestado um grande serviço à coroa) se alojarem sem pagar aluguel. Eles viviam, muitas vezes com suas próprias famílias abaixo e ao redor dos apartamentos de estado.

Todo o Palácio foi dividido em um labirinto de apartamentos de tamanhos e qualidades diferenciados.

O tamanho médio da maioria dos apartamentos era de 12 a 14 quartos. No entanto, alguns apartamentos não tinham mais do que quatro quartos, enquanto o maior possuía quase 40.

Apesar da localização privilegiada, morar em alguns daqueles apartamentos não significava luxo ou status. No entanto, a concorrência para morar lá era feroz e muitos candidatos esperavam anos na esperança de obter um apartamento.

Ao longo dos próximos 200 anos uma grande variedade de pessoas tornaram-se residentes em Hampton Court. O grande cientista experimental, o professor Michael Faraday tinha uma casa em Hampton Court Green.

Rainha Vitória abre o Palácio aos visitantes:

Em 1838, a jovem Rainha Vitória ordenou que Hampton Court devia ser aberto a todos os seus súditos, sem restrições.

Queen_Victoria_by_BassanoAté este ponto, os visitantes de destaque social apropriado, tinham a permissão para uma rápida visita, mediante o pagamento de uma taxa para a dona residente no apartamento.

Logo depois, todas as classes da sociedade foram convidadas a passear pelo palácio, e alguns tiveram visões de “uma insultante marcha plebe através dos Apartamentos de Estado, derrubando tapeçarias, destruindo os móveis e levando retratos.”

Ao mesmo tempo, antiquários e arquitetos mostraram interesse em restaurar as partes sobreviventes do histórico Palácio Tudor. Entre 1838 e 1851, cerca de £ 7.000 por ano foi gasta em restauração. O Grande Salão, o Great Gatehouse e toda a Frente Ocidental foram “re-Tudorisados”.

As janelas de guilhotina introduzidas no século 18 foram removidas e janelas novas de batente de pedra em estilo Tudor foram inseridas. Em pouco tempo, várias partes do palácio foram restauradas.

Na década de 1970 e início de 1980, exposições foram introduzidas e algumas melhorias feitas nos Apartamentos de Estado, mas tudo isso foi interrompido em 1986 por um incêndio que danificou severamente parte dos apartamentos do Rei. Os reparos aos danos do incêndio levaram seis anos e foram praticamente concluídos em 1995.

O resultado mais visível deste trabalho foi a restauração e exibição dos apartamentos do Rei William III. Estes foram recriados à sua forma e decorações originais: móveis, pinturas e tapeçarias foram devolvidas para os quartos para os quais foram inicialmente destinados, de onde haviam sido removidos após as últimas visitas reais no século XVIII. Um projeto similar viu os apartamentos da Rainha serem restaurados à sua antiga glória, e Hampton Court tornou-se mais acessível os visitantes com uma série de «rotas» definidas pelo palácio. 19thc Maze_Crown copyright_Historic Royal Palaces04Após muito trabalho duro, a conservação e restauro do Palácio de Hampton Court continua. A grande maioria dos edifícios do palácio estão agora abertos ao público ou utilizados como espaço de escritório e lojas, embora um pequeno grupo de residentes ainda permaneçam no local.Explicar sobre a história de Hampton Court é algo realmente difícil, considerando sua rica e turbulenta história .

Talvez seja mas fácil pensar em Hampton Court como dois palácios:  um Palácio Tudor criado pelo Cardeal Thomas Wolsey e aprimorado por Henrique VIII, e o outro, um Palácio barroco construído por William III e Maria II.

Mas esse Palácio tem muito mais história para contar!

Fontes:

Hampton Court Palace Website

HCP_Main

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s